Autonomia da escola e gestão curricular do ensino básico: desafios de um projeto de inovação

Joaquim Machado Araújo

Resumo


Nas últimas quatro décadas, tem sido introduzidas no sistema educativo português, tradicionalmente centralizado, diversas medidas com vista à diversificação curricular e à diferenciação pedagógica que pressupõem o reconhecimento de margens de autonomia escolar. Este artigo descreve o projeto de autonomia e flexibilidade curricular iniciado num conjunto de escolas no ano letivo de 2017-2018, assinala-lhe continuidades e ruturas com medidas anteriores e realça os principais desafios com que se depara esta ação de política pública dirigida ao núcleo da cultura escolar.

Palavras-chave


Flexibilidade curricular; Área curricular interdisciplinar; Autonomia; Inovação

Referências


ALVES, J. M.; CABRAL, I. (org.). Uma Outra Escola é Possível. Mudar as regras da gramática e os modos de trabalho pedagógico. Porto: Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa, 2017.

BARROSO, J. Políticas Educativas e Organização Escolar. Lisboa: Universidade Aberta, 2004.

BOLÍVAR, A. Melhorar os Processos e os Resultados Educativos: O que nos ensina a investigação. V. N. Gaia: Fundação Manuel Leão, 2012.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer nº 3/2000 – Parecer sobre a Proposta de reorganização curricular do ensino básico, Diário da República, II Série, nº 180, 5 de agosto de 2000, pp. 13016-13024.

CUBAN, L. A fundamental puzzle of school reform. In: LIEBERMAN, A. (ed.). Schools as Collaborative Cultures: Creating the Future Now. New York: Falmer Press, 1990, p. 71-77.

CUBAN, L. How Teachers Taugtht. Constancy and change in American Classrooms, 1890-1990. New York: Teachers College Press, 1993.

EURYDICE. Autonomia das Escolas: Políticas e medidas. Lisboa: Unidade Portuguesa da Rede Eurydice, 2007.

EURYDICE. Responsabilités et Autonomie des Enseignants en Europe. Bruxelles: DG Éducation et Culture, 2008.

FERNANDES, A. S. Descentralização, desconcentração e autonomia dos sistemas educativos: uma panorâmica europeia. In FORMOSINHO, J., FERNANDES, A. S., MACHADO, J., FERREIRA, F. I. Administração da Educação. Lógicas burocráticas e lógicas de mediação. Porto: Edições ASA, 2005, p. 53-89.

FORMOSINHO, J. O dilema organizacional da escola de massas. Revista Portuguesa de Educação, 1992, 5 (3), p. 23-48.

FORMOSINHO, J. (coord.). Modelos de Organização Pedagógica da Escola Básica. Porto: ISET, 1994.

FORMOSINHO, J. O Currículo Pronto-a-vestir de Tamanho Único. Mangualde: Edições Pedago, 2007.

FORMOSINHO, J.; MACHADO, J. Políticas de autonomia e avaliação: Portugal no concerto da União Europeia. In: FORMOSINHO, J., FERNANDES, A. S., MACHADO, J., FERREIRA, H. Autonomia da Escola Pública em Portugal. V. N. Gaia: Fundação Manuel Leão, 2010, p.71-89.

GRÁCIO, R. A via única no ensino secundário (1): Unificar o quê, para quê? O Jornal, 12-9-1975, p. 11.

GRÁCIO, R. A via única no ensino secundário (conclusão): Alteração formal ou substancial? O Jornal, 19-9-1975, p. 10-11.

GRÁCIO, R. A educação, dez anos depois: Que transformações, que rupturas, que continuidades? Revista Crítica de Ciências Sociais, nº 18/19/20, fevereiro de 1986, p. 153-182.

MACHADO, J. (2017). Organização e currículo: Em busca de um modelo alternativo. In: PALMEIRÃO, C., ALVES, J. M. (coord.). Construir a Autonomia e a Flexibilização Curricular: Os desafios da escola e dos professores. Porto: Universidade Católica Editora, 2017, p. 25-37.

MACHADO, J.; ALVES, J. M. (org.). Equidade e Justiça em Educação. Desafios da escola bem-sucedida com todos. Porto: Universidade Católica Editora, 2017.

MACHADO, J.; FORMOSINHO, J. Equipas educativas e comunidades de aprendizagem. Revista Portuguesa de Investigação Educacional, vol. 16, 2016, p. 11-31.

MARTINS, G. O. (coord.). Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória. Lisboa: Ministério da Educação/Direção Geral da Educação, 2017.

PERRENOUD, Ph. Pedagogia Diferenciada. Das intenções à ação. Porto Alegre: Artmed Editora, 1999.

ROLDÃO, M. C. O currículo escolar: da uniformidade à contextualização, campos e níveis de decisão curricular. Revista de Educação, IX, nº 1, 2000, p. 81-92.

ROLDÃO, M. C. Currículo e aprendizagem efectiva e significativa: Eixos de investigação curricular nos nossos dias. In: PALMEIRÃO, C., ALVES, J. M. (coord.). Construir a Autonomia e a Flexibilização Curricular: Os desafios da escola e dos professores. Porto: Universidade Católica Editora, 2017, p. 15-24.

VIÑAO, A. Sistemas Educativos, Culturas Escolares y Reformas. Continuidades y cambios, 2ª ed. Madrid: Ediciones Morata, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

Rev. Intern. Form. Prof., Itapetininga, SP, Brasil, e-ISSN 2447-8288

Ano de fundação: 2015

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.