Perfil profissional do gestor da escola pública portuguesa

Maria João de Carvalho, Teresa Soares

Resumo


Neste artigo tivemos a pretensão de realizar uma breve incursão diacrónica, a partir de uma abordagem de caráter legalista, sobre o gestor da escola pública portuguesa. Desde o pós-25 de abril de 1974 até à atualidade, analisámos as “distintas” configurações que a figura do gestor foi adquirindo, ao mesmo tempo que considerávamos os requisitos exigidos para o exercício da sua função. Foi possível constatar diferentes políticas educativas que deram o mote ao modelo de gestão escolar português, reconhecendo que o atual normativo obriga à existência de um órgão unipessoal, facto que determinou o desaparecimento de um órgão colegial.


Palavras-chave


Conselho diretivo; Conselho executivo; Diretor; Gestor.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, A. de J. Autonomia e gestão das escolas públicas. Revista Iberoamericana de Educación. N.º 55/3, p.1-9. 2011.

BARROSO, J. Políticas Educativas e Organização Escolar. Lisboa: Universidade Aberta. 2005.

BARROSO, J. Regulação e Autonomia da Escola Pública: O Papel do Estado, dos Professores e dos Pais, Inovação. Vol.12, nº3, Lisboa, Ministério da Educação, pp.9-33. 1999.

CARVALHO, M. J. de. A modalidade de escolha do diretor na escola pública portuguesa. Revista Lusófona de Educação, nº 22, p. 103-121. 2012a.

CARVALHO, M. J. de. “A liderança na Organização Escolar: o Diretor”. Revista Praxis Educacional. Vol. 8, n.º13, pp.193-209. 2012b.

CARVALHO, M. J. de. O perfil do gestor da escola pública portuguesa. Revista Espaço do Currículo, v. 10. n. 1, p. 82-91, Janeiro/Abril. 2017.

COSTA, J. A. Imagens Organizacionais da Escola. 3ª ed., Porto: Edições Asa, 2013.

FONSECA, J. P. (1981). “Gestão do Sistema de Ensino”, in Silva, Manuela, Tamen Maria Isabel (Orgs.). Sistema de Ensino em Portugal. Lisboa: Fundação Gulbenkian.

LIMA, L. A Escola como Organização e a Participação na Organização Escolar. Um Estudo da Escola Secundária em Portugal (1974-1988). 2.ª ed., Braga: Universidade do Minho, 1998.

OCDE. Education at a Glance. OECD INDICATORS. Paris: OECD Publishing. p. 510. 2016.

PARO, V. Eleição de Diretores. A escola pública experimenta a democracia. Campinas: Papirus. 1996.

SILVA, G. R.; SÁ V. O diretor escolar em Portugal: formação e perfil profissional. Revista Espaço do Currículo, v. 10, n 1, p. 62-81, Jan./Abril. 2017.

Referências legais por ordem cronológica

Decreto-Lei n.º 735-A, de 21 de dezembro de 1974

Decreto-Lei n.º 176/74, de 29 de abril de 1974

Decreto-Lei n.º 221/74, de 27 de maio de 1974

Decreto-Lei n.º 769-A/76, de 23 de outubro de 1976

Portaria n.º 677/77, de 4 de novembro de 1977

Portaria n.º 697/77, de 8 de novembro de 1977

Lei n.º 46/86, de 14 de outubro de 1986

Decreto-Lei n.º 172/91, de 10 de maio de 1991

Decreto-Lei n.º 115-A/98, de 4 de maio de 1998

Decreto-Lei n.º75/2008, de 22 de abril de 2008

Decreto-Lei n.º 137/2012, de 2 de julho de 2012


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

Rev. Intern. Form. Prof., Itapetininga, SP, Brasil, e-ISSN 2447-8288

Ano de fundação: 2015

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.