O acesso e a ocupação do espaço docente pela mulher no “ensino primário” no Brasil e em Portugal

Amanda Rabelo

Resumo


Este artigo apresenta alguns resultados de uma investigação comparada entre Portugal e Brasil, analisando as diferenças de contexto histórico-social destes locais e dos respectivos professores/as do “ensino primário”, desde o período da colonização do Brasil por Portugal até os dias atuais, buscando compreender a história de como o magistério primário se feminizou e de como os homens o abandonaram. Desejamos apresentar abordagens teóricas sobre história da educação, elegendo bibliografias de ambos os países que fizessem análises históricas com escolhas documentais alargadas e/ou diferenciadas, com ênfase à análise das narrativas e dos discursos, bem como fontes oficiais e dados estatísticos.

Palavras-chave


Formação docente. Mulher. Feminização do magistério. Estudo comparado.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Élia P. de. Formação de professores. In: I. M. S. e.; M. I. T. c. (Ed.), Sistema de ensino em Portugal. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1981.

ALMEIDA, Jane Soares de. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: UNESP, 1998.

_________. Co-educação ou classes mistas? Indícios para a historiografia escolar (São Paulo, 1870-1930). Revista brasileira de estudos pedagógicos, 86 (213/214), p. 64-78, 2005.

_________. Vestígios para uma reinterpretação do magistério feminino em Portugal e no Brasil a partir do século XIX. In: SAVIANI, D.; ALMEIDA, J. S. d.; SOUZA, R. F. d,; VALDEMARIN, V. T. (Eds.). O legado educacional do século XIX. São Paulo: Editora Autores Associados, 2006a.

_________. Mulheres na educação: missão, vocação e destino? A feminização do magistério ao longo do século XX. In: SAVIANI, D.; ALMEIDA, J. S. d.; SOUZA, R. F. d.; VALDEMARIN, V. T. (Eds.). O legado educacional do século XIX. 2. ed. São Paulo: Editora Autores Associados, 2006b.

ARAÚJO, H. C. Pioneiras na educação: as professoras primárias na viragem do século: contextos, percursos e experiências, 1870-1933. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 2000. 431 p. (Memórias da educação 8)

AUAD, Daniela. Relações de gênero nas práticas escolares e a construção de um projeto de co-educação. Artigo apresentado em 27ª Reunião da Anped. Anais... Caxambu, MG, 2004.

BELTRÃO, Kaizô Iwakami; ALVES, José Eustáquio Diniz. A reversão do hiato de gênero na educação brasileira no século XX. Artigo apresentado em XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Anais... Caxambú, MG, 2004.

BENAVENTE, Ana. Escola, professoras e processos de mudanças. Lisboa: Livros Horizontes, 1990.

BRASIL. Recenseamento realizado em 1 de setembro de 1920. 1920

______. Anuário estatístico do Brazil. Rio de Janeiro: Typographia da Estatistica, v. III, 1927. (1º Anno 1908-1912)

______. Sinopses estatísticas da educação Básica: INEP, 2005.

BRUSCHINI, C.; AMADO, T. Estudos sobre mulher e educação. Cadernos de Pesquisa, v. 64, p. 4-13, fevereiro, 1988.

CAMPOS, Maria Cristina Siqueira de Souza. Formação do corpo docente e valores na sociedade brasileira: a feminização da profissão. In: CAMPOS, M. C. S. d.; SILVA, V. L. G. d. (Eds.). Feminização do magistério: vestígios do passado que marcam o presente (pp. 13-37). Bragança Paulista: Edusf, 2002.

CARVALHO, R. D. História do ensino em Portugal: desde a fundação da nacionalidade até o fim do regime de Salazar-Caetano. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1986.

CARVALHO, Marília Pinto de. Vozes masculinas numa profissão feminina. Revista Estudos Feministas, 6 (2), p. 406-422, 1998.

FARIA FILHO, Luciano Mendes de. Instrução elementar no século XIX. In: LOPES, E. M. T.; FILHO, M. F.; VEIGA, C. G. (Eds.). 500 Anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2000.

FONSECA, Laura. Contornos da escolarização das raparigas em Portugal: Olhar sócio-histórico para ressignificar as mudanças educacionais e uma nova agenda de gênero em educação. Revista Ex aequo, (15), p. 69-87, 2007.

GASPARI, Leni Trentim. A educação da mulher brasileira e sua postura no espaço público e privado [Electronic Version]. HISTEDBR, n. 11, 2003. Setembro. Disponível em: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/art14_11.htm. Acessado em: 05 de julho, 2007.

GUINOTE, Paulo. O lugar da(o)s regentes escolares na política educativa do Estado Novo: uma proposta de releitura (anos 30-anos 50). Sísifo/ Revista de ciências da educação, 1, p. 113-126, 2006.

GIASE. Perfil do docente 2004/2005. Lisboa: Ministério da Educação de Portugal, 2006a.

______. Séries cronológicas - alunos 1977-2006. Lisboa: Ministério da Educação de Portugal, 2006b.

________. Séries cronológicas, docentes - 1985-2005. Lisboa: Portugal - GIASE, 2006c.

HILSDORF, Maria Lúcia Spedo. Mestra Benedita ensina primeiras letras em São Paulo (1828-58). Artigo apresentado em Leitura e Escrita em Portugal e no Brasil, 1500-1970, Anais... Porto, 1998.

KUHLMANN JR, Moysés. Educando a infância brasileira. In: LOPES, E. M. T. F.; VEIGA, C. G. (Eds.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2000.

KULESZA, Wojciech Andrzej. A institucionalização da escola normal no Brasil (1870-1910). Revista brasileira de estudos pedagógicos. 79 (193), p. 63-71, 1998.

LEÃO, Maria Teresa. O ensino superior politécnico em Portugal: um paradigma de formação alternativo. Não publicada. Doutoramento, Universidade de Aveiro, Aveiro, 2006.

LOPES, Amélia. Libertar o desejo, resgatar a inovação: A construção de identidades profissionais docentes. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 2001.

MACIEL, Lizete Shizue Bomura; SHIGUNOV NETO, Alexandre. A educação brasileira no período pombalino: uma análise histórica das reformas pombalinas do ensino. Educação e Pesquisa, 32 (3), p. 465-476, 2006.

MADEIRA, Ana Isabel. Estudos comparados em história da educação e educação colonial: algumas considerações sobre a comparação no espaço da língua portuguesa [Electronic Version]. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, 1, p. 37-56, 2006. Disponível em: http://sisifo.fpce.ul.pt. Acessado em 29 de maio, 2007.

MARTINS, Ângela Maria Souza. Dos anos dourados aos anos de zinco. Tese de Doutorado em Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 1996.

MÓNICA, Maria Filomena. Educação e sociedade no Portugal de Salazar. Lisboa: Editora Presença/Gabinete de Investigações Sociais, 1978.

NUNES, Clarice. Formação docente no Brasil: entre avanços legais e recuos paradigmáticos. Teias: Revista da faculdade de Educação/UERJ (1), p. 16-55, 2000.

NÓVOA, A. Le temps des professeurs. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1987. (Pedagogia 5)

________. Um tempo de ser professor. Lisboa, [s.n.] 1988.

________. Profissão: professor. reflexões históricas e sociológicas. Análise Psicológica, 1-2-3 (VII), p. 435-456, 1989.

________. Os professores: quem são? Donde vêm? Para onde vão? In: STOER, S.(Ed.). Educação, Ciências Sociais e Realidade Portuguesa. Uma abordagem Pluridisciplinar. Porto: Afrontamento, 1991, p. 59-129.

________. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Ed.), Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, Instituto de Inovação Educacional, 1992, p. 14-33.

________; CATANI, Denice B. Estudos comparados sobre a escola: Portugal e Brasil (séculos XIX e XX). Artigo apresentado em I Congresso Brasileiro de História da Educação, Anais... Rio de Janeiro, 2000.

OIT-ILO, Segregat. Disponível em: http://laborsta.ilo.org/. Acessado em: 22 de março, 2008.

PAIVA, José Maria de. Educação jesuítica no Brasil colonial. In: LOPES, E. M. T.; FILHO, M. F.; VEIGA, C. G. (Eds.). 500 Anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2000.

PEDRO, Ana Paula. Co-education in Portugal: the feminine course from the New State up to today – elements for a critical reflection. Artigo apresentado em Ninth International Literacy & Education Research Network Conference on Learning, Anais… Beijing, China, 2002.

REGO, Maria do Céu da Cunha. Para uma cidadania activa: a igualdade de homens e mulheres. Portugal: Instituto do Emprego e Formação Profissional, 2004.

RIBEIRO, Arilda Inês Miranda. Mulheres educadas na colônia. In: LOPES, E. M. T.; FILHO, M. F.; VEIGA, C. G. (Eds.). 500 Anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2000.

________. Mulheres e educação no Brasil-colônia: histórias entrecruzadas. HISTEDBR, Navegando na história da educação brasileira, 2006.

RITZKAT, Marly Gonçalves Bicalho. Preceptoras alemãs no Brasil. In: LOPES, E. M. T.; FILHO, M. F.; VEIGA, C. G. (Eds.). 500 Anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2000.

SAAVEDRA, Luísa. Discurso da igualdade/omissão: análise de legislação sobre igualdade entre os sexos na educação. Revista Portuguesa de Educação, 14 (1), p. 263-285, 2001.

SANTOS, Heloisa Helena Meirelles dos. A história do instituto de educação [Electronic Version], 2004. Disponível em: http://www.cemiiserj.xpg.com.br/. Acessado em 12 de set., 2007.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Lógicas de acção nas escolas. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional/Ministério de Educação, 2000.

SAYÃO, Deborah Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creche. Tese de Doutorado em Educação. Universidade Federal De Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

SCHAFFRATH, Marlete dos Anjos Silva. Profissionalização do magistério feminino: uma história de emancipação e preconceitos. Artigo apresentado em 23ª Reunião Anual da Anped. Anais..., 2000.

SCHUELER, A. F. D. Representações da docência na imprensa pedagógica na corte imperial (1870-1889): o exemplo da instrução pública. Educação e Pesquisa, v.31, n.3, p. 379-390, set./dez. 2005.

SERRA, Fernando Humberto Santos. Concepções educacionais em tempos revolucionários: Uma abordagem histórico-sociológica do ensino primário e da formação de professores em Portugal no pós 25 de Abril de 1974 – Volume III. Tese de Doutorado, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2004.

SINISCALCO, M. T. A statistical profile of the teaching profession. Geneva: International Labour Office (ILO/OIT) - UNESCO, 2002.

SOUSA, C. P. D. A escola de massas em Portugal e no Brasil nas estatísticas da Unesco: um estudo histórico-comparado (de 1946 aos anos 60). In: Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação, Anais... Uberlândia, 2006.

STAMATTO, Maria Inês Sucupira. Um olhar na história: a mulher na escola (Brasil: 1549 - 1910). Artigo apresentado em II Congresso Brasileiro de História da Educação, Anais... Natal, 2002.

TANURI, Leonor Maria. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, 14, p. 61-88, 2000.

YANNOULAS, Silvia Cristina; VALLEJOS, Adriana Lucila; LENARDUZZI, Zulma Viviana. Feminismo e academia. Revista brasileira de Estudos pedagógicos, 81 (199), p. 425-451, 2000.

VERNEY, Luís António. Verdadeiro método de estudar: Valensa, 1746.

VIANNA, C. P. O sexo e o gênero da docência. Cadernos Pagu, v. 17/18, 2001/2002.

VIEIRA, Cristina Maria Coimbra. Em defesa do direito da mulher à educação: alguns apontamentos históricos. Revista Portuguesa de Pedagogia, 36 (1,2 e 3), p. 581-599, 2002.

_______. Ensino misto e coeducação: Rumo a uma escola verdadeiramente coeducativa. Revista Portuguesa de Pedagogia (Ano 39, nº 3), p. 563-581, 2005.

VILLELA, Heloisa de O. S. O mestre-escola e a professora. In: LOPES, E. M. T.; FILHO, M. F.; VEIGA, C. G. (Eds.). 500 Anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2000.

WERLE, Flávia Obino Corrêa. Práticas de gestão e feminização do magistério. Cadernos de Pesquisa, 35 (126), 2005.

WILLIAMS, Christine. Still a man’s world: men do women’s work. Berkeley, CA: University of California Press, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

Rev. Intern. Form. Prof., Itapetininga, SP, Brasil, e-ISSN 2447-8288

Ano de fundação: 2015

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.