A formação continuada de professores: um espaço para autoria?

Jéferson Luís de Azeredo, Maria Cristina Corrêa Pizzollo, Ricardo Luiz de Bittencourt

Resumo


Este artigo apresenta uma pesquisa que teve como objeto de estudo os programas de formação continuada ofertados na rede pública de ensino para professores das séries iniciais, tendo em vista o espaço de autoria destinado a eles. O estudo contou com entrevistas a esses professores e com pesquisa bibliográfica, apresentando a forma como os programas de formação têm sido ofertados aos educadores, bem como seus impactos na prática em sala de aula e na construção da autoria do professor. São muitos os entraves que permeiam as políticas de formação continuada para professores no Brasil, e as possibilidades de ser um educador autor, esbarram no fator tempo, periodicidade dos encontros e a falta das trocas de experiência entre os professores.

Palavras-chave


Professor; Formação; Autoria

Texto completo:

PDF

Referências


ANDALÓ, C. S. de A. Fala, professora!: repensando o aperfeiçoamento docente. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

CALDEIRA, A. M. S. La práctica docente cotidiana de una maestra y el proceso de apropiación y construcción de su saber. Barcelona: Universidade de Barcelona, 1993. 347 p. (Tese de doutorado).

CUNHA, A. M. O; KRASILCHILK, M. A formação continuada de professores de ciências: percepções a partir de uma experiência, trabalho apresentado na 29ª REUNIÃO ANUAL ANPEd [seção Formação de Professores], Caxambu, 2000.

FILHO, A. de S. Foucault: o cuidado de si e a liberdade ou a liberdade é uma agonística. In: Albuquerque Júnior, Durval Muniz de; Veiga-Neto, Alfredo; Sousa Filho, Alípio de. (Org.). Cartografias de Foucault. 1ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008, v. 1, p. 13-26.

FLORIANI, A. C. B. As Concepções de Formação Continuada de Professores no Âmbito das Políticas para Educação Infantil a partir da década de 1990. Dissertação de Mestrado, Florianópolis, 2008.

FOUCAULT, M. A Coragem da Verdade: O Governo de Si e dos Outros II. Tradução Eduardo Brandão. Curso no College de France (1983-1984). 2. ed. São Paulo: W M F Martins Fontes, 2011.

FREITAS, H. C. L. de. A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1203-1230, out. 2007a.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 23. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996. 165 p. (Coleção leitura).

GATTI, B. A. Análise das Políticas Públicas para Formação Continuada no Brasil, na última década. Revista Brasileira de Educação. n. 37, jan/abr, 2008. Autores Associados, p. 57-70.

KUENZER, Acácia Zeneida; MACHADO, Lucilia R.S. Pedagogia Tecnicista, in Mello, Guiomar Namo (org.) Escola nova, tecnicismo e educação compensatória. São Paulo, Loyola, 1982.

LIEURY, A.; FENOUILLET, F. Motivação e aproveitamento escolar. Tradução de Y. M. C. T. Silva. São Paulo: Loyola. 2000. (Trabalho originalmente publicado em 1996).

MARIN, A. J. Educação continuada: introdução a uma análise de termos e concepções. In: Caderno Cedes. Papirus Editora. Campinas – SP, 1. Ed., 1995.

NÓVOA, A. (Coord.). Professores e sua formação. Lisboa, Portugal, Dom Quixote. 1995.

NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e sua formação. Lisboa-Portugal, Dom Quixote, 1997.

NÓVOA, Antônio (Coord.). Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, António. Os professores e sua formação. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1992. p. 139-158. Agosto/2002, p. 23.

NÓVOA, A. (Coord.)Concepções e práticas da formação contínua dos professores; In: NÓVOA. A. (org.). Formação contínua de professores: realidade e perspectivas. Aveiro: Universidade de Aveiro. 1991.

NÓVOA, A. Escola nova. A revista do Professor. Ed. Abril. Ano. 2002, p. 23.

NÓVOA, A. Relação Escola-Sociedade: Novas Respostas para um velho problema. In: SERBINO et al (Org.). Formação de Professores. São Paulo: Fundação Editora Unesp, 1998. p. 19-39.

PAÍN, S. A Função da Ignorância. Tradução Maria Elísia Valliattri Flores. ed. Ver. E atual. Porto Alegre: Artes Médicas Sul Ltda, 1999. 195 p.

PEDROSO, R. de J. Perspectiva crítico-reflexiva na formação continuada de professores da Educação Básica: trabalho de formação continuada realizado no município de Telêmaco-Borba-PR. Dissertação. (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Ponta Grossa, 1998.

PINEAU, G. A autoformação no decurso da vida: entre a hetero e a ecoformação. In: NÓVOA, António; FINGER, Matthias. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. Tradução de Maria Nóvoa. 2. ed. – Natal: EDUFRN, 2010. p. 97-118.

RIBAS, M. H. Construindo a competência: processo de formação de professores. Olho d´água: São Paulo, 2000.

SILVA, C. S. R.; FRADE, I. C. A. da. Formação de professores em serviço. Presença Pedagógica, Belo Horizonte, v. 3, n. 13, 1997.

SCHNETZLER, R. P. O professor de Ciências: problemas e tendências de sua formação. In: PACHECO, R. P.; ARAGÃO, R.M.R. (Org.) Ensino de Ciências: fundamentos e abordagens. CAPES/UNIMEP, 2000.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Trad. Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

WEFFORT, M. F. et al. Observação registro e reflexão: instrumentos metodológicos I. 2. ed. São Paulo: Pnd Produções Gráficas Ltda, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

Rev. Intern. Form. Prof., Itapetininga, SP, Brasil, e-ISSN 2447-8288

Ano de fundação: 2015

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.