Cultura e interculturalidade no ensino de filosofia: experiências numa escola portuguesa

Celso João Carminati

Resumo


Neste texto, apresentarei parte de uma pesquisa realizada em Portugal sobre a realidade cultural e de conhecimento da Escola Dr. Azevedo Neves, em Lisboa. Apresentaremos em linhas gerais as diferentes nacionalidades que compõem o contexto das demandas sociais que frequentam essa escola, considerada por muitos a escola mais “imigrante e africana” da Europa, assim como alguns dos seus princípios orientadores, os programas de ensino de filosofia e algumas avaliações de professores sobre o mesmo, uma vez que isto incita as perspectivas docentes no âmbito da disciplina.


Palavras-chave


Formação; Ensino; Culturas; Interculturalidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Dalton. A Filosofia e seu Ensino. São Paulo: Loyola, 2009.

BRASIL. Lei nº 9.394 – Lei de diretrizes e bases da Educação nacional. MEC. Brasília, 1996.

CAMBI, Franco. Insegnare e Apprendere la Filosofia. Roma: Armando, 2000.

CARMINATI, Celso João. Professores de Filosofia. Crise e Perspectivas. Itajaí: Univali, 2006.

CARMINATI, Celso João. O Estatuto da Filosofia no Ensino Secundário no Brasil durante a ditadura militar. Universidade de Lisboa: Revista Philosophica, nº 36, 2010, pp. 159-180.

CARMINATI, Celso João. Prescrições e Ordenamentos do Ensino de Filosofia na Escola Secundária - Itália. Digital, 2015.

FERNANDES, Sara; LEMOS, Rute. Perspectivas sobre o programa de Introdução à Filosofia. In: HENRIQUES, F.; ALMEIDA, M. B. (org.). Os actuais programas de Filosofia do secundário. Balanço e Perspectivas. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 1998, pp. 291-301.

RIBEIRO, Irene. Filosofia e ensino secundário em Portugal. Portugal, s-d, pp. 391-501.

FERREIRA, Maria Luisa R. (Coord.). Ensinar e aprender Filosofia num mundo em Rede. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa. 2012

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo. Editora Paz e Terra – Coleção Leitura, 1996.

GONÇALVES, Joaquim Cerqueira. Fazer Filosofia. Como e onde? Braga – Portugal: Universidade Católica Portuguesa. 1990.

GONÇALVES, Joaquim Cerqueira. A Escola em Debate. Educar ou profissionalizar? Braga – Portugal: Universidade Católica Portuguesa. 1990.

LARANJEIRA, Paulo. O actual programa de introdução à filosofia e a prática interdisciplinar. In: HENRIQUES, F.; ALMEIDA, M. B. (org.). Os actuais programas de Filosofia do secundário. Balanço e Perspectivas. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 1998, pp. 179-187.

PATRÍCIO, Manuel F. Reflexão Prospectiva sobre a Reforma dos Programas de Filosofia do Ensino Secundário. In: HENRIQUES, F.; ALMEIDA, M. B. (org.). Os actuais programas de Filosofia do secundário. Balanço e Perspectivas. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 1998, pp. 251-260.

PORTUGAL. Projeto Educativo. Trabalhar o presente, Construir Futuros, 2014.

PORTUGAL(a). Lei de Bases do Sistema Educativo. Lei n. 46 de 14 outubro de 1986.

PORTUGAL (b). Programa de Filosofia. Lisboa, 2001.

REVEL, Jean- François Revel. A che servono i filosofi? Milano – Itália: PGRECO Edizioni, 2015.

RODRIGUES, Marcial. Os actores e as Máscaras. In: Os actuais programas de Filosofia do secundário. Balanço e Perspectivas. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 1998, pp. 273-282.

RODRIGUES, Luís. Filosofia. 10º ano. Porto: Plátano, 2015.

SILVA, Ana Paula Lopes da. Exigirão os Programas de Introdução à Filosofia uma alteração? Qual o alcance da sua suposta flexibilidade e quais as consequências da sua extensão? In: HENRIQUES, F.; ALMEIDA, M. B. (org.). Os actuais programas de Filosofia do secundário. Balanço e Perspectivas. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 1998, pp. 149-169.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

Rev. Intern. Form. Prof., Itapetininga, SP, Brasil, e-ISSN 2447-8288

Ano de fundação: 2015

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.