A trajetória dos professores e educadores sociais caiçaras: produção do conhecimento 1998-2017

Arlindo Lins de Melo Júnior, Maria Edith Romano Siems-Marcondes

Resumo


O tema “a trajetória dos professores e educadores sociais caiçaras” remete a uma reflexão sobre as tarefas da educação considerando a realidade caiçara. Objetivamos analisar a trajetória de professores e educadores sociais caiçaras no Brasil através da análise da produção acadêmica (teses e dissertações). Desenvolveu-se uma revisão sistemática na base de dados da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD). Os resultados revelam 22 estudos sobre à trajetória dos professores e educadores sociais, destes 07 estudos tratavam professor caiçara atuante na escola, 14 estudos tratavam das trajetórias do educador social na educação não escolar, 01 produto tratavam da interface.

Palavras-chave


Caiçaras. Professores. Educadores Sociais

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, C. As populações caiçaras e o mito do bom selvagem: a necessidade de uma nova abordagem interdisciplinar. Rev. Antropol. São Paulo, vol.43 n.1, p. 145-182 ,abr/mai 2000.

ARAUJO. L.G. Etnobotanica caiçara: diversidade e conhecimento de recursos vegetais no litoral paulista. 2007. 210f. Dissertação (Mestrado em ecologia) – Programa de Pós-graduação em Ecologia, Universidade Estadual Campinas, Campinas, 2007.

BERTOLO, G. Narrativas do espólio: uma etnografia sobre o fandango e a perda cultural caiçara. 2015. 167f. Dissertação (Mestrado em Antropologia social) – Programa de Pós-graduação em Antropologia social, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

BEZERRA NETO, L. A difícil, mas necessária relação entre os movimentos sociais e a universidade: educação e movimentos sociais: práticas pedagógicas, desafios e novos rumos. In: BEZERRA NETO, L.; BEZERRA, M. C. S.; LEITE NETO, J. Na luta pela terra, a conquista do conhecimento. São Carlos: Pedro e João, 2013. p. 13-64.

BEZERRA NETO, L.; BEZERRA, M. C. S.; CAIADO, K. R. M. Escola ativa: Qual sua contribuição para a educação do trabalhador do campo? In: BEZERRA NETO, L.; BEZERRA, M. C. S. Educação para o campo em discussão: reflexões sobre o programa escola ativa. São Carlos: Premier, 2011. p. 09-18.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial, 1988.

_______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB nº9.394, de 20 de dezembro de 1996, Brasília, MEC/SEESP, 1996.

_______. Parâmetros curriculares nacionais. Adaptações de currículos. Estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais Brasília. MEC/SEESP. 1998.

_______. Resolução nº 2, de 28 de abril de 2008. Ministério da educação. Conselho Nacional de Educação. Câmera de Educação Básica. Estabelece diretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo. 2008.

_______. Decreto nº 7.353, de 4 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – PRONERA, 2010.

CAMPOS, S. E. A. Ser caiçara em Ilhabela: as construções de identidade nas tensões entre o passado e o presente. 2008. 241 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas). Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2008.

CHIEUS JÚNIOR, G. Matemática caiçara: Etnomatemática contribuindo na formação docente. 2002. 127f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-graduação em educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2002.

COSTA, A. B.; ZOLTOWSKI, A. P. C. Como escrever um artigo de revisão sistemática. In: S. H. KOLLER; M. C. P. P.; COUTO; J. V. HOHENDORFF (Orgs). Manual de Produção Científica. Porto alegre: Penso, 2014. p. 55-70.

COSTA, B. E. B. O fandangueiro narrador: cultura popular, território e as contradições do Brasil moderno nas modas de viola caiçara. 2015. 186f. Dissertação (Mestrado em filosofia). Programa de Pós-graduação em culturas e identidades Brasileiras. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

CUNHA, L. H. O. O mundo costeiro: temporalidades, territorialidades, saberes e alternatividades. Revista desenvolvimento e meio ambiente, v. 20 n. 02, p. 59-67, jul./dez. 2009.

______, L. H. O. Saberes patrimoniais pesqueiros. In: DIEGUES, A. C. (org.). Enciclopédia caiçara: O olhar do pesquisador. São Paulo: NUPAUB, 2004, p. 21-48.

DAMASCO, F.; ANTUNES, M. Inovações metodológicas na representação de agrupamentos de povos e comunidades tradicionais na Base Territorial, 2017. 6º Seminário de Metodologia do IBGE , 2017. Disponível em: . Acesso em 30/05/2018.

DIEGUES, A. C. S. A mudança como modelo cultural: o caso da cultura caiçara e a urbanização. In: DIEGUES, A. C. (org.). Enciclopédia caiçara: O olhar do pesquisador. São Paulo: NUPAUB, 2004, p. 21-48.

_____________. O Vale do Ribeira e Litoral de São Paulo: meio-ambiente, história e população. Reunião do CENPEC, 2007. Disponível em: Acesso em 28/05/2018.

_____________. Diversidade biológica e culturas tradicionais litorâneas: o caso das comunidades caiçaras. 1988. In: Conferencia da União Internacional para Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais, 1988, São José - Costa Rica. Disponível em: http://nupaub.fflch.usp.br/sites/nupaub.fflch.usp.br/files/DiversidadeBio%20%26%20CultTrad015.pdf. Acesso em: 28/05/2018.

FREITAS, L. C. Neotecnicismo e a formação do educador. In: ALVES, N. Formação de professores: Pensar e fazer. São Paulo: Cortez, 2011. p. 95-108.

FEITOSA, D. A. A educação popular enquanto um saber da experiência. 2007 30º Reunião Anual da ANPEd, 2007. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt06-3668-int.pdf, acesso em: 30 abril 2018.

FERREIRA, T. J. Fandango paranaense da Ilha dos Valadares: Processos de tradução cultural e aprendizagem inventiva da dança. 2006. 151f. Dissertação (Mestrado em Dança). Programa de Pós-Graduação em Dança, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

FERREIRA, C. A. L. Pesquisa quantitativa e qualitativa: perspectivas para o campo da educação. Revista Mosaico, v. 8, n. 2, p. 173-182, jul./dez. 2015.

FRANCO, P. C. Oficinas de fandango Caiçara como vivência de educação popular na Associação de Jovens da Jureia- AJJ Barra do Ribeira – Iguape- SP: reafirmando o potencial das comunidades tradicionais caiçaras 2015. 136 f.Dissertação (Mestrado em Educação).Programa de Pós-graduação em Educação. Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, 2013.

FONTELLA, J.M.D. O Fandango caiçara do Paraná, uma lexical. 2017. 138f. Dissertação (Mestrado em Letras) Programa de Pós-graduação em letras, Universidade Estadual do oeste do Paraná, Cascavel, 2017.

GONZALEZ, M. A. D. Os caiçaras da Ilha do Cardoso e “a coisa fora do lugar”. 2006. 149f. Dissertação (Mestrado em ciência Ambiental) – Programa de Pós-graduação em Ciência Ambiental, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

GUSMÃO, J. S. P. Percepção e interação de comunidades caiçaras do complexo estuarino-lagunar de Iguape Cananéia, SP, Brasil com tartarugas marinhas.2013. 104 f. Dissertação (Mestrado em Diversidade Biológica e Conservação). Programa de Pós-graduação em Diversidade Biológica e Conservação. Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, 2013.

IPHAN. Os sambas, as rodas, os bumbas, os meus e os bois: princípios, ações e resultados da política de salvaguarda do patrimônio cultural imaterial no Brasil (2003-2010). 2 ed. IPHAN, Brasília, 2010.

______. Dossiê de Registro do Fandango Caiçara. Brasília, 2011.

JONAS, M. Q. Saberes e práticas na relação entre caiçaras e animais no sertão fazenda. 2006. 138f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

LIMA, A. S. Nova Cartografia Social dos Povos e Comunidades Tradicionais do Brasil : Comunidades tradicionais caiçaras da Jureia, Iguape-Peruibe. Manaus : UEA Edições, 2013. 16 p.

LOPES, W. J. F. Profissionalidade docente na educação do campo. 2013. 257f. Tese (Doutorado em educação), Programa de Pós-graduação em educação, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. Rio de Janeiro: E.P.U, 2013. 112 p.

MANSANO, C.F. Do “tempo dos antigo” ao tempo de hoje”: O caiçara d Cambury entre terra e mar.1998. 236f. Dissertação (Mestrado em educação) Programa de Pós-graduação em Educação. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1998.

MARTINS, L. G. Comida caiçara: o saber fazer culinário da comunidade de Barrancos de pontal do Paraná. 2017. 140f. Dissertação (Mestrado em desenvolvimento sustentável). Programa de mestrado em desenvolvimento sustentável, Universidade Federal do Paraná, Matinhos, 2017.

MARTINS, M. F. Marx, Gramsci e o conhecimento: ruptura ou continuidade? Campinas: Autores associados, 2008.

MARTINS, M. F. Formação do educador social e proposição de um perfil de intelectual orgânico. In: GARRIDO, Noêmia de Carvalho e outros (orgs.). Desafios e perspectivas da educação social: um mosaico em construção. São Paulo: Expressão e Arte Editora, 2010, p. 40 - 60.

MESQUITA, L. A. Autobiografia De Ubatubanos E De Ubatubenses E O Silenciamento Da Cultura Caiçara: Uma Análise Discursiva Dos Textos De Alunos Da EJA. 2008. 116 f. Dissertação (Mestrado em lingüística Aplicada). Programa de pós-graduação em Lingüística Aplicada, Universidade de Taubaté, Taubaté, 2008.

MONTEIRO, N. R. O.; SCACHETTI, R. E.; NAGIB, V. Identidades de pescadores caiçaras: heroísmo e precariedade em populações tradicionais? Revista desenvolvimento e meio ambiente. v. 41, N 02, p. 124-139, agosto 2017.

OLIVEIRA, J. P. F. Formação humana: uma categoria de método e de objeto para o estudo sobre educação. Germinal: Marxismo e Educação. Salvador, v. 5, n.1, p. 159-164, jun. 2013.

PEDROSO JÚNIOR, N. N. Etnoecologia e conservação em áreas naturais protegidas: incorporando o saber local na manutenção do parque nacional do superagui. 2002. 91f. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas), Programa de Pós-graduação em Ciências Biológicas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2002.

PILAN, C. R. O Caiçara de Ubatuba: transformações históricas de sua identidade coletiva e proposta de autotransformação como alternativa para sua sobrevivência. 2006. 84f. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

RODRIGUES, A. C. M. A. O Papel dos conhecimentos e valores transmitidos pela escola, na construção de mundo de uma comunidade caiçara do Rio de Janeiro. 2014. 87f. Dissertação (Mestrado em educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

SANCHES, R. A. Caiçaras e a estação ecológica de juréia-itatins: litoral sul de São Paulo. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2004.

SANTOS, S. E. As crianças (in)visíveis nos discursos políticos da educação infantil: entre imagens e palavras. 20014. 161f. Tese (Doutorado em Educação) Programa de po´s-graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

SAMPAIO, T. O tupi na geografia nacional. São Paulo: Casa eclectica, 1987. 171p.

SAVIANI, D. Educação Brasileira: estrutura e sistema. Campinas: Autores associados, 2012a. 192p.

_______ , D. Escola e democracia. Campinas: Autores associados, 2012b. 83p.

SILVA, L. G. Da terra ao mar: por uma etnografia histórica do mundo caiçara. In: DIEGUES, A. C. (org.). Enciclopédia caiçara: O olhar do pesquisador. São Paulo: NUPAUB, 2004, p. 49-70.

SILVA, W. P. “ ‘As Cuié’, ‘Os Pobrema’, ‘As Arvre’.” Isso é Português e é Cultura. O que pensam meus alunos a respeito?. 2016. 149f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho, Assis, 2016.

SILVEIRA, C.E. Folclore, cultura e patrimônio: Da produção social do (s) fandangos. 2014. 251 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) Programa de Pós-graduação em Antropologia social, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2014.

VALVERDE, O.; MESQUITA, M. G. C.; SCHEINVAR, L. Geografia Econômica do Nordeste Potiguar. Revista Brasileira de Geografia. V. 24, n. 01, p. 02-43. Jan/mar. 1962


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

Rev. Intern. Form. Prof., Itapetininga, SP, Brasil, e-ISSN 2447-8288

Ano de fundação: 2015

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.