v. 3, n. 2, abr./jun. (2018) - Dossiê: A formação dos professores da educação básica sob múltiplos olhares

Ivan Fortunado, Osmar Hélio Alves Araújo, José Anderson Santos Cruz

Resumo


Nestes tempos neoliberais a educação que emana da/para a condição/relação humana, desenvolvimento e emancipação do indivíduo , que não compactua com exclusão, marginalização, violência e ataques aos direitos já conquistados, sobretudo pelos negros, pelos indígenas, pelas mulheres e pela comunidade LGBT, vem sendo excessivamente vinculada à lógica do mercado e aos interesses da classe empresarial.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, O. A.; RODRIGUES, J. M. C.; ARAGÃO, W. H. Do decreto ao controle do processo pedagógico: os coordenadores pedagógicos sob a tutela das avaliações externas. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 12, n. 2, p. 952-965, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.21723/riaee.v12.n2.9827. Acesso em: 12 jun. 2018.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A gênese das teses do Escola sem Partido: esfinge e ovo da serpente que ameaçam a sociedade e a educação. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017, p. 17-34.

MCLAREN, Peter. Multiculturalismo crítico. São Paulo: Cortez, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

Rev. Intern. Form. Prof., Itapetininga, SP, Brasil, e-ISSN 2447-8288

Ano de fundação: 2015

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.