Matemática e Literatura: um jogo de xadrez através do espelho

Diana Ferreira Santana, Neide Biodere

Resumo


Este trabalho é resultado de uma proposta de ensino que visa aliar matemática e literatura com vistas a um aprendizado mais significativo. Como desdobramento dessa proposta pensou-se numa atividade de leitura que procurasse trabalhar os conceitos lógico-matemáticos do tabuleiro de xadrez (plano cartesiano, coordenadas, perpendicularidade, diagonalidade, notação algébrica, simetria, tática e estratégia) no contexto de duas obras literárias: o poema “Jogo de Xadrez” escrito em 1513 por Marco Vida  e “Alice Através do Espelho” escrito em 1871 por Lewis Carroll. Percebe-se, no contato com a literatura, o enriquecimento do repertório matemático do estudante e situações propicias para o debate de outras demandas que o poema e a história suscitam. Essas questões remetem à vida cotidiana problematizando a condição da mulher, a função do indivíduo na sociedade, os obstáculos e armadilhas que se interpõem aos nossos esforços, a dicotomia entre essência e aparência, etc. A experiência literária é repleta de momentos de muita reflexão, ceticismo e perplexidade. Podemos também identificar nesse empreendimento temas que frequentemente estão associados a outras áreas do conhecimento oportunizando assim um espaço de interdisciplinaridade. 


Palavras-chave


Alice through the Looking Glass; Literature; Mathematics; Chess.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Infância e história. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

BAKHTIN, M. M. Problems of Dostoiévski Poetics. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1984.

BAKHTIN M.M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na Ciência da Linguagem. 3ª ed. Trad. Michel Lahud e Carlos Henrique D. Chagas Cruz. São Paulo: Hucitec, 1986.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética. A teoria do romance. São Paulo: Hucitec, 1988.

BENVENISTE, Émile. Problemas de Linguística Geral II. Campinas, SP: Pontes Editores, 2006.

DIAZ BORDENAVE, J. & Pereira, A. M. Estratégias de ensino-aprendizagem. 33. ed. Petropólis, RJ: Vozes, 2015.

GARDNER, Martin. Alice. Edição Comentada. Aventuras de Alice nos pais das maravilhas & através do espelho. Trad. Maria Luiza X. de A Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

PALO, M. J. A palavra e o imaginário em Alice através do espelho, de Lewis Carrol. In: Literartes, n.3. 2014, p.122-141.

SAVIOLI, F. P. & FIORIN, J. L. Lições de texto: leitura e redação. 5. ed. São Paulo: Ática, 2006.

SHENK, D. O jogo imortal: o que o xadrez nos revela sobre a guerra, a arte, a ciência e o cérebro humano. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

TALIAFERRO, C. e OLSON, E. O nonsense de Lewis Carroll. In: Irwin, W. e Davis, R. B. Alice no País das Maravilhas e a Filosofia: cada vez mais e mais curioso. Trad. Camila Zanon. São Paulo: Madras, 2010.

LECERCLE, J-J. Philosophy of nonsense: The intuitions of Victorian nonsense literature. Lodon/New York: Routledge, 2002.

LEITE, L. C. M. Gramática e Literatura: Desencontros e Esperanças. In. O Texto na Sala de Aula, pp. 17-25. São Paulo: Ática, 2011.

LIN, TAN. Introduction. In: Alice’s Adventures in Wonderland and Through the Looking-Glass. New York: Barnes and Noble, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

Rev. Intern. Form. Prof., Itapetininga, SP, Brasil, e-ISSN 2447-8288

Ano de fundação: 2015

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.