O estudo do meio como estratégia de ensino na educação superior

Thaise Sutil, Michele Daros Freitas, Beatriz Fernandes de Lima Luciano, Ricardo Luiz De Bitencourt

Resumo


O presente estudo foi realizado no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais na Universidade do Extremo Sul Catarinense em cumprimento da disciplina de Metodologia do Ensino Superior, na qual abordou-se especificamente uma estratégia de ensino interdisciplinar, objetivando-se apontar reflexões sobre a utilização do estudo do meio como estratégia de análise socioambiental.  O artigo faz uma contextualização de elementos fundamentais para o entendimento do estudo do meio, para isto, fundamentou-se principalmente nas bibliografias de Anastasiou (2007), Tardif (2002) e Mizukami (1986). Os elementos fundamentais elencados no artigo são a educação superior; pedagogia universitária; interdisciplinaridade; estratégias de ensino superior. Para elucidar o uso desta estratégia utilizou-se uma saída de campo a fim de possibilitar que os alunos pudessem compreender o contexto natural e social do local. Ao se escolher uma estratégia de ensino o docente deve considerar as individualidades e as condições específicas às dificuldades dos alunos, como também cada em prática didática. O estudo do meio mostrou-se como uma ferramenta efetiva a ser utilizada na educação superior, porém é de interesse comum que os discentes tenham contato com o conteúdo teórico previamente à inserção no local, possibilitando uma ligação entre a parte técnica e teórica.

Palavras-chave


Study of the middle; University education; Environmental sciences; Interdisciplinary.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARES, C.; STAPE, J. L.; SENTELHAS, P. C.; DE MORAES GONÇALVES, J. L.; SPAROVEK, G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Schweizerbart: Meteorologische Zeitschrift, Germany, v. 22, n. 6, p.711-728, nov. 2013.

ANASTASIOU, L. G. C.; ALVES, L. P. Processos de Ensinagem na Universidade: Pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 5. ed. Joinville: Univille, 2007.

ARARANGUÁ, Prefeitura de. Balneário Ilhas. 2013. Disponível em: http://www.ararangua.sc.gov.br/cms/pagina/ver/codMapaItem/10658. Acesso em: 22 mar. 2017.

BERBEL, N. A. N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos?. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, São Paulo, v. 2, n. 2, p.139-154,1998.

CALLISTO, M.; FERREIRA, W.; MORENO, P.; GOULART, M. D. C.; PETRUCIO, M. Aplicação de um protocolo de avaliação rápida da diversidade de habitats em atividades de ensino e pesquisa (MG-RJ). Acta Limnologica Brasiliense, Sorocaba, v. 14, n. 1, p. 91-98, 2002.

CAPES. Documento de área: ciências ambientais. Brasil: Capes, 2013. p.55

CARDOSO, G. M. M. Trajetória Formativa: entrelaçando saberes... estudo do meio como lugar de aprendizagem do/discente. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, São Paulo, v. 3, n. 14, p.713-726, nov. 2009.

COIMBRA, J. Á. A. Considerações sobre a Interdisciplinaridade. In: PHILIPPI JUNIOR, A. et al. Interdisciplinaridade em Ciências Ambientais. São Paulo: Signus, 2000. p. 52-70.

EMBRAPA. Solos do Estado de Santa Catarina. 46. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2004.

KLEIN, A. S.; CITADINI-ZANETTE, V.; SANTOS, R.. Florística e estrutura comunitária de restinga herbácea no município de Araranguá, Santa Catarina. Biotemas, Florianópolis, v. 3, n. 20, p.15-26, set. 2007.

FERREIRA, F. F. A interdisciplinaridade é desejável, mas o modelo não pode ser imposto. Química Nova, São Paulo, v. 35, n. 10, p. 1899, 2012.

FREIRE, P. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

LIBÂNEO, J. C.; OLIVEIRA, J. F. de; TOSCHI, M. S. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Atlas, 2003.

MASETTO, M. T. Competência pedagógica do professor universitário. 2. ed. São Paulo: Summus, 2012.

MIZUKAMI, M. G. N. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986.

SOARES, S. R. Pedagogia universitária campo de prática, formação e pesquisa na contemporaneidade. In: SOARES, S. R. Educação e contemporaneidade: pesquisas científicas e tecnológicas [online]. Salvador: EDUFBA, 2009.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes. 2002.

TROPPMAIR, H. Metodologias simples para pesquisar o meio ambiente. Rio Claro, SP: Embrapa, 1988.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Educação básica e Educação Superior: Projeto político pedagógico. Campinas: Papirus, 2004.

UREA, R. The Perceived Significances of Interdisciplinarity at Students in Educational Sciences. Procedia: Social and Behavioral Sciences, Barcelona, v. 187, n. 5, p.228-233, maio 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




 

 

Rev. Intern. Form. Prof., Itapetininga, SP, Brasil, e-ISSN 2447-8288

Ano de fundação: 2015

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.