A neutralização do estigma em narrativas de entrada para o tráfico: adesão e resistência a estereótipos de feminilidade

  • Carlos Vinícius Pereira dos Santos Nascimento PUC-Rio
  • Amanda Carvalho França PUC-Rio
  • Liana de Andrade Biar PUC-Rio

Resumo

Partindo dos estudos clássicos de Goffman (1975) e Becker (1963) sobre as noções de estigma, desvio e encontro misto, este estudo realiza uma análise qualitativa e interpretativista de narrativas (Bastos e Biar, 2015) de mulheres presas por tráfico de drogas no Rio de Janeiro. Os resultados indicam uma polarização de sistemas que dão coerência (Linde, 1992) às relações de causa e efeito presentes nas histórias de entrada para o crime conforme contadas por essas mulheres. De um lado, e predominantemente, estão aquelas que reivindicam tal causalidade a partir de um envolvimento afetivo com companheiros, donde se destaca, como características narrativas, passividade frente às ações narradas e avaliações negativas em relação ao self passado, em geral tratado como irracional, imaturo, emocional. De outro, as que justificam essa entrada de maneira agentiva e protagonista, sob o pretexto de complementação de renda familiar ou simplesmente pelo desejo de poder
Publicado
dez 5, 2016
Como Citar
NASCIMENTO, Carlos Vinícius Pereira dos Santos; FRANÇA, Amanda Carvalho; BIAR, Liana de Andrade. A neutralização do estigma em narrativas de entrada para o tráfico: adesão e resistência a estereótipos de feminilidade. Revista Brasileira de Iniciação Científica, [S.l.], v. 3, n. 7, dez. 2016. ISSN 2359-232X. Disponível em: <https://periodicos.itp.ifsp.edu.br/index.php/IC/article/view/547>. Acesso em: 01 dez. 2022.