A guarda compartilhada como estratégia para o equilíbrio da responsabilidade parental

Daiane Santos do Carmo Kemerich, Gabriela Clerici Christofari, Dorian Mônica Arpini

Resumo


A guarda compartilhada surgiu no cenário jurídico brasileiro ligada ao compromisso com os vínculos familiares após a separação conjugal. Assim, o presente artigo objetivou analisar a supremacia das mães em relação a guarda dos filhos no contexto pós-divórcio. Para tanto, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com juízes e promotores. Os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo temática. Como resultados menciona-se que ainda existe uma perspectiva tradicional, na qual as mães exercem centralidade, contrapondo às demandas atuais de compartilhamento do cuidado, evidenciando a necessidade de ampliação na aplicabilidade da guarda compartilhada para possibilitar a responsabilização conjunta e ativa.


Palavras-chave


Guarda Compartilhada. Guarda de Filhos. Relações Familiares.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, A. P., CÚNICO, S. D., SMANIOTTO, A. C., PILECCO, M. B., ARPINI, D. M. O mito do amor materno e suas implicações nas decisões judiciais. In: ARPINI, Dorian. M., CÚNICO, Sabrina. D. (orgs.). Novos olhares sobre a família: aspectos psicológicos, sociais e jurídicos. Curitiba: Editora CRV, 2014, p. 55-70.

ALVES, A. P., ARPINI, D. M., CÚNICO, S. D. Guarda compartilhada: perspectivas e desafios diante da responsabilidade parental. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 916-935, 2015.

ARPINI, D. M., CÚNICO, S. D., ALVES, A. P. Paternidade: o ponto de vista de profissionais que atuam em varas de família. Pensando Famílias, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 29-42, 2016.

ARAÚJO, M. F. Família, modernização capitalista e democracia: retomando alguns marcos do antigo debate sobre as transformações da família no Brasil. Tempo e argumento, Florianópolis, v. 3 n. 1, p. 180-198, 2011.

BADINTER, E. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985, 370p.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011, 229p.

BRASIL. Lei nº 6.515, de 26 de dezembro de 1977. Lei do Divórcio. Regula os casos de dissolução da sociedade conjugal e do casamento, seus efeitos e respectivos processos, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1977.

BRASIL. Lei nº 11. 698, de 13 de junho de 2008. Lei da Guarda Compartilhada. Altera os arts. 1.583 e 1.584 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 – Código Civil, para instituir e disciplinar a guarda compartilhada. Brasília, DF: Presidência da República, 2008.

BRASIL. Resolução nº 510/2016, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em ciências humanas e sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores dos que os existentes na vida cotidiana. Brasília, DF: Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde, 2016.

BRASIL. Lei nº 13.058, de 22 de dezembro de 2014. Nova Lei da Guarda Compartilhada. Altera os artigos 1.583, 1.584, 1.585 e 1.634 da lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 do Código Civil. Brasília, DF: Presidência da República, 22 dez. 2014.

BRITO, L. M. T. Guarda compartilhada: um passaporte para a convivência familiar. In: Associação de pais e mães separados (orgs.). Guarda compartilhada: aspectos jurídicos e psicológicos. Porto Alegre: Equilíbrio, 2005, pp. 53-69.

BRITO, L. M. T., GONSALVES, E. N. Guarda compartilhada: alguns argumentos e conteúdos da jurisprudência. Revista Direito GV, v. 9, n. 1, p. 299-318, 2013.

BRITO, L. M. T. Rupturas familiares: olhares da Psicologia Jurídica. In: ARPINI, Dorian M., Cúnico, Sabrina D. (orgs.). Novos olhares sobre a família: aspectos psicológicos, sociais e jurídicos. Curitiba: Editora CRV, 2014, pp. 55-70.

CAMPEOL, A. R., CHRISTOFARI, G. C., ARPINI, D. M. Guarda compartilhada: desafios em busca da responsabilização parental. In: GOETZ, Everley R. (orgs.). Psicologia Jurídica e Direito de Família: práticas e saberes. Curitiba, Juruá, 2017, p. 59-68.

CHRISTOFARI, G. C., ARPINI, D. M., KEMERICH, D. S. C. “Na prática, ela é muito complicada”: dilemas do cotidiano sobre o instituto da guarda compartilhada. Estudos e Pesquisas em Psicologia. No prelo.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução nº 016/2000. Dispõe sobre a realização de pesquisa em Psicologia com seres humanos. Brasília, DF: CFP, 2000.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Justiça em números 2017: ano-base 2016. Brasília, DF: Conselho Nacional de Justiça, 2017.

DEVREUX, A. M. A parternidade na França: entre igualização dos direitos parentais e lutas ligadas às relações sociais de sexo. Sociedade e Estado, v. 21, n. 3, p. 607-624, 2006.

FRANCO, A. A., MAGALHÃES, A. S., FÉRES-CARNEIRO, T. Luta pela guarda compartilhada: narrativas dos pais. Interação em Psicologia, v. 22, n. 2, p. 155-165, 2018.

GADONI-COSTA, L. M. A Guarda Compartilhada sob a ótica dos operadores do Direito e da díade parental: um estudo exploratório. Tese de Doutorado, Porto Alegre: UFRGS, 2014, 157p.

GADONI-COSTA, L. M., FRIZZO, G. B., LOPES, R. C. S. A guarda compartilhada na prática: estudo de casos múltiplos. Temas em Psicologia, v. 23, n. 4, p. 901-912, 2015.

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George (orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Editora Vozes, 2005, pp. 64-89.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Informativo sobre as Estatísticas do Registro Civil de 2018, Rio de Janeiro: IBGE, 2018, 8p.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec Editora, 14ª edição, 2014, 407p.

OLIVEIRA, J. L. A. P., CREPALDI, M. A. Relação entre o pai e os filhos após o divórcio: revisão integrativa da literatura. Actualidades en Psicología, n. 32, v. 124, p. 91-109, 2018.

PASINATO, L., MOSMANN, C. P. Transição para a paternidade e coparentalidade: casais que os filhos ingressaram na escola ao término da licença-maternidade. Avances en Psicología Latinoamericana, v. 34, n. 1, p. 129-142, 2016.

PEREIRA R. C. Divórcio: teoria e prática. Rio de Janeiro: GZ Editora, 3ª edição, 2011.

ROSA, C. P. da. Guarda Compartilhada Coativa: a efetivação dos direitos de crianças e adolescentes. Salvador: Editora JusPodivm, 2018, 224p.

ROUDINESCO, E. A família em desordem. Rio de Janeiro: Zahar, 2003, 200p.

SCHNEEBELI, F. C. F., MENANDRO, M. C. S. Com quem as crianças ficarão? Representações sociais da guarda dos filhos após a separação conjugal. Psicologia & Sociedade, v. 26, n. 1, p. 175-184, 2014.

SILVA, L. D. L. da, CHAPADEIRO, C. A., ASSUMPÇÃO, M. C. O exercício da parentalidade após a dissolução conjugal: uma revisão integrativa. Pensando Famílias, v. 23, n. 1, p. 105-120, 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Revista Brasileira de Iniciação Científica, Itapetininga, SP, Brasil, ISSN: 2359-232X

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.