Aspectos motivacionais à prática do voleibol: uma análise da seleção de base feminina do município de Teixeira de Freitas - BA

Renan Silva Felipe, Daiane Vicente Souza, Claudio Roberto de Jesus Pereira, Rafaela Gomes dos Santos

Resumo


O objetivo deste estudo foi analisar os principais aspectos motivacionais que levam as atletas da seleção feminina de voleibol à prática e permanência no esporte. Foram avaliadas variáveis antropométricas e aplicado o questionário Escala de Motivos para a Prática Esportiva (EMPE). Este questionário é composto por 33 perguntas, que agrupadas identificam sete fatores de motivação para a prática esportiva. Verificou-se, através do questionário, que os aspectos motivacionais referentes à Técnica (8,5±1,5) e à Saúde (8,4±1,8) obtiveram as maiores médias, sendo os principais motivadores para a prática e permanência no esporte.


Palavras-chave


Voleibol. Motivação. Psicologia do esporte.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, D.; SOUZA, R. M. A influência dos pais no envolvimento da criança com o esporte durante a iniciação esportiva no futebol em uma escolinha de Campo Bom-RS. Rev. Br. de Futs. e Fut., São Paulo, SP, v. 8, n. 30, p. 256-268, 2016.

ARAUJO, M. L. D. et al. Precisão do IMC em diagnosticar o excesso de gordura corporal avaliada pela bioimpedância elétrica em universitários. Nutr. clín. y diet. Hosp, Pernambuco, PE, v. 38, n. 3, p. 154-160, 2018.

BARROSO, M. L. C. Adapted Participation Motivation Questionnaire validation to assess sports participation motivation among Brazilian young adults. 2007. 129 f. Dissertação (Mestrado em Ciência do Movimento Humano) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2007.

BORGES, A. M.; SOUZA, H. O. A influência do condicionamento físico do policial militar do estado de Goiás em seu desempenho profissional. 2019. 12 f. Artigo (Trabalho de conclusão de curso). Programa de Pós-Graduação e Extensão do Comando da Academia da Polícia Militar do Estado de Goiás – CAPM, Goiânia, GO, 2019.

BRAY, G. A.; GRAY, D. S. Obesity. Part I-Pathogenesis. Western Journal of Medicine, Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos, v. 149, n. 4, p. 429, 1988.

BUSHMAN, B. Manual completo de condicionamento físico e saúde do ACSM. São Paulo, SP: Phorte Editora, 2017.

CAMPOS, L. T. S.; VIGARIO, P. S.; LURDOF, S. M. A. Fatores motivacionais de jovens atletas de vôlei. Rev. Br. Ciênc. Esp. Florianópolis, SC, v.33, n.2, p. 303-317. 2011.

CID, L. F. Alteração dos motivos para a prática desportiva das crianças e jovens. Educación Física y Deportes. Buenos Aires, Argentina, v.8, n. 55, p. 1-2, 2002.

CUREAU, F. V. et al. ERICA: inatividade física no lazer em adolescentes brasileiros. Rev. de Saú. Púb. Porto Alegre, RS, v. 50, p. 1-11, 2016.

DORSCH, F. et al. Dicionário de psicologia Dorsch. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

DOMINSKI, F. H. et al. Imagem corporal, indicadores antropométricos, motivação e adesão de praticantes de musculação. RBPFEX-Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v. 13, n. 85, p. 954-962, 2019.

FERREIRA, C. O.; REINBOLD, P. H. L. VÔLEI SOCIAL. In: VI Fórum de Integração Ensino, Pesquisa, Extensão e Inovação Tecnológica do IFRR-e-ISSN 2447-1208, Amajari, RO, v. 4, n. 2, 2017.

GRISI, R. B. et al. Tempo despendido durante 12 semanas de treinamento e desempenho tático-técnico no voleibol escolar. Educación Física y Ciencia. La Plata, Argentina, v. 21, n. 2, p. 1-10, 2019.

HARLOW, M.; WOLMAN, L.; FRASER-THOMAS, J. Should toddlers and preschoolers participate in organized sport? A scoping review of developmental outcomes associated with young children’s sport participation. International Review of Sport and Exercise Psychology, Toronto, Canadá, p. 1-25, 2018. Disponível em: Acesso em: 07 de junho de 2020.

KUNZ, Elenor. Transformação didático-pedagógica do esporte. 7. ed. Ijuí, RS: Editora Unijuí, 2006.

LOPES, L. M. S. et al. Aspectos da motivação intrínseca e extrínseca: uma análise com discentes de Ciências Contábeis da Bahia na perspectiva da Teoria da Autodeterminação. Rev. de Ges. Fin. e Cont., Salvador, BA, v. 1, n. 1, p. 21-39, 2015.

MOROUÇO, P. Avaliação dos factores psicológicos inerentes ao rendimento: estudo realizado em nadadores cadetes do distrito de Leiria. Psicologia. com. pt: o portal dos psicólogos, p. 1-20, 2007. Disponível em: Acesso em: 07 de junho de 2020.

MOURA, M. C. A. R et al. O relacionamento com o treinador pode afetar a motivação de atletas paranaenses de futsal?. Rev.Sau. e Pes. Maringá, PR, v. 12, n. 1, p. 29-38, 2019.

NAZARETH, E. F. A energia e a experiência esportiva. Rev. bras. educ. fís. Esporte, v.29, n. 4, São Paulo, SP, 2015.

NOTARI, G. S. et al. Fatores motivacionais em atletas de categoria de base de um clube de futebol de Porto Alegre. Rev. Br. de Futs. e Fut, São Paulo, SP, v. 10, n. 41, p. 703-709, 2018.

OLIVEIRA, G. S. et al. A relação entre a especialização precoce e o abandono prematuro da natação. Movimento & Percepção, Espírito Santo do Pinhal, São Paulo, SP, v. 8, n.11, p.307-322, 2007.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. OMS: 80% dos adolescentes no mundo não praticam atividades físicas suficientes. 2018. Disponível em: Acesso em: 13 de fevereiro de 2020.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE – OPAS. Obesidade entre crianças e adolescentes aumentou dez vezes em quatro décadas, revela novo estudo do Imperial College London e da OMS. 2017.Disponível em: Acesso em: 13 de fevereiro de 2020.

PEDROZO, S. et al. Proposta de ponto de corte para avaliação da obesidade central em escolares de 14 a 17 anos residentes nos municípios pertencentes à SDR de São Miguel do Oeste, SC, Educación Física y Deportes, Buenos Aires, Argentina, v. 18, n. 184, 2013.

PERES, A. L. X.; SALDANHA, R. P. Motivação para a prática esportiva dos jovens: uma revisão integrativa. In: SEFIC 2017, Canoas, RS, p. 1-10, 2017. ISSN 1983-6783.

PETROSKI, E. L. Antropometria: técnicas e padronizações. São Paulo, SP: 5.ª ed. Fontoura 2011.

PISANI et al. Psicologia geral. 11ª ed. Porto Alegre, RS: Vozes, 1990.

ROBERTS, G. C.; SPINK, K. S.; PEMBERTON, C. L. Learning experiences in sport psychology. Champaing, Illinois: Human Kinetics, 1999.

SANTOS, I. A. et al. Pontos de corte de circunferência da cintura de acordo com o estadiamento puberal para identificar sobrepeso em adolescentes. Rev. Paul. de Pedia, São Paulo, SP, v. 37, n. 1, p. 49-57, 2019.

SILVA, R. A. et al. Fatores Motivacionais para a Prática de Educação Física em alunos do Ensino Médio de Dona Euzébia, MG. Rev. Kinesis, Santa Maria, RS, v.36, n.3, p.67-74, 2018.

SIMÕES NETO, J. C.; OLIVEIRA, T. E. L. Motivação de adolescentes do ensino médio para a prática esportiva. Biomotriz, Cruz Alta, RS, v. 14, n. 1, p. 76-85, 2020.

TRESCA, R.; ROSE JUNIOR, D. Estudo comparativo da motivação intrínseca em escolares praticantes e não praticantes de dança. Rev. Bras. Ciên. e Mov. Brasília, DF, v.8 n.1 p.9-13, 2000.

VITORINO, P. V. O. et al. Prevalência de estilo de vida sedentário entre adolescentes. Acta paul. enferm, São Paulo, SP, v. 28, n. 2, p. 166-171, 2014.

WEINBERG, R. S.; GOULD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. Artmed Editora, 2017

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. Phisical Status: the use andin terpretation o fanthr opometry. WHO Technical Reporte Series n. 854. Geneva: WHO, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Revista Brasileira de Iniciação Científica, Itapetininga, SP, Brasil, ISSN: 2359-232X

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.