A política de equidade de gênero da UNILA como um meio de prevenção à violência

Ingrid Nascimento Euclides, Lorena Rodrigues Tavares de Freitas

Resumo


Busca-se apresentar alguns resultados da pesquisa de Iniciação Científica finalizada em 2019 cujo objetivo foi analisar a construção e os mecanismos de enfrentamento à violência da Política Institucional de Equidade de Gênero: Martina Conde Piazza (PEG) da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA).  Por tratar-se de uma pesquisa-ação, cuja intenção é não apenas a produção de conhecimentos, mas também a mudança da realidade estudada, foram realizadas também oficinas educativas focadas na prevenção à violência de gênero para a comunidade universitária. Foi possível concluir que a PEG tem mecanismos para ser executada dentro da universidade via Educação Permanente em Saúde (EPS).

Palavras-chave


Violência de gênero; Políticas Públicas; Educação Permanente em Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Ministério da Mulher, da família e dos direitos humanos. MDH divulga dados sobre feminicídio. Brasília, 13 de ago. de 2018. Disponível em :< https://www.mdh.gov.br/todas-as-noticias/2018/agosto/ligue-180-recebe-e-encaminha-denuncias-de-violencia-contra-as-mulheres> Acesso em março de 2020

BRASIL, Universidade Federal da Integração Latino- Americana. Politica

Institucional de Equidade de Gênero: Martina Piazza Conde. Conselho

Universitário aprova em maio de 2017. Resolução 18/2017.. Boletim de serviços nº

ano VIII publicado em 23 de Julho de 2017

BRASIL. Universidade Federal da Integração Latino Americana. Projeto Pedagógico

de Curso de Saúde Coletiva. 2014

BRASIL, Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Resolução 18/2017.

Conselho Universitário. Boletim de serviços nº 269 ano VIII publicado em 23 de Junho

de 2017

CECCIM, Ricardo Burg. Educação permanente em saúde: um desafio ambicioso e

necessário interface – comunic, saúde, educ, V.9, N 16, P 161-77, SET 2004/FEV.

Cordeiro, Luciana, Baldini Soares, Cassia, Sivalli Campos, Celia Maria, Pesquisa ação

na perspectiva da Saúde Coletiva: relato de experiência da formação de agentes

comunitários da saúde para o enfrentamento do consumo prejudicial de drogas.

Saúde & Transformação Social / Health & Social Change [en linea] 2013, 4 (AbrilJunio) : [Fecha de consulta: 2 de diciembre de 2017] Disponible

en: ISSN

ESCORSIM, SILVANA MARIA . Violência de gênero e saúde coletiva: um debate necessário. Revista Katálysis (Impresso) , v. 17, p. 235-241, 2014

Hooks, Bell. Ensinando a Transgredir : a educação como pratica de liberdade.

Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. Martins Fontes editora,1ª edição São Paulo

MUNIZ, Diva do Couto Gontijo. As feridas abertas da violência contra as mulheres no

Brasil: Estupro, assassinanto e feminicídio. Mulheres e violências:

interseccionalidades. P 36-19. 2017

Oliveira, B. B. (2018) A memória política como instrumento de ação pública e reconhecimento intersubjetivo. Psicologia Política, 18(41), p.55-68

PEDROSA, Mariana; ZANELLO, Valeska. (In)visibilidade da violência contra as mulheres na saúde mental. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília , v. 32, n. spe, e32ne214, 2016 . Disponível em . acessos em 03 dez. 2017. Epub 27-Mar- 2017. http://dx.doi.org/10.1590/0102-3772e32ne2

REINA, Elena. CENTENERA, Mar. TORRADO, Santiago. JUCÁ, Beatriz. América Latina é a região mais letal para as mulheres. El País. São Paulo, 27 de nov. de 2018. Disponível em: < https://brasil.elpais.com/brasil/2018/11/24/actualidad/1543075049_751281.html> Acesso em: março de 2020.

SAFFIOTI, Heleieth IB. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cad. Pagu , Campinas, n. 16, p. 115-136, 2001. Disponível em . acesso em 08 de julho de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332001000100007.87

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, Patriarcado e Violência. São Paulo : Editora Expressão Popular/ Fundação Perseu Abramo, 2015. 2ª ed

SALCI, Maria Aparecida et al . Educação em saúde e suas perspectivas teóricas: algumas reflexões. Texto contexto - enferm., Florianópolis , v. 22, n. 1, p. 224-230, Mar. 2013 . Available from . Access on 09 July 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000100027

SAMPAIO, Ana Tânia Lopes. Formação e Educação Permanente em Saúde: desafios pedagógicos para um modelo de atenção integral no Brasil. AS trilhas e os desafios da gestão do trabalho e da educação na saúde. Natal,RN: Una 2016

VASCONCELOS, Eymard Mourão. Redefinindo as práticas de Saúde a partir de experiências de Educação Popular nos serviços de saúde. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 5, n. 8, p. 121-126, Feb. 2001 . Available from

&lng=en&nrm=iso>. Access on 09 July 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832001000100009.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educ. Pesqui., São Paulo , v. 31, n. 3, p. 443-466, Dec. 2005 . Available from

&lng=en&nrm=iso>. Access on 02 Dec. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022005000300009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Revista Brasileira de Iniciação Científica, Itapetininga, SP, Brasil, ISSN: 2359-232X

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.