Construção de materiais didáticos manipuláveis para o ensino de matemática para alunos cegos

Wenderson Cardoso dos Santos, Lucélida de Fátima Maia da Costa

Resumo


Nesse artigo apresentamos resultados de uma pesquisa qualitativa descritiva realizada no âmbito do Programa de Iniciação Científica - PAIC desenvolvido na Universidade do Estado do Amazonas – UEA, com o intuito de construir materiais didáticos manipuláveis para o ensino de matemática para alunos cegos. Os resultados obtidos indicam que os materiais didáticos manipuláveis são potenciais recursos ao ensino de matemática e pode possibilitar ao aluno cego o desenvolvimento do raciocínio matemático ao estabelecer relações entre as informações registradas em sua estrutura cognitiva e as novas informações que estão lhes sendo apresentadas, no caso do aluno cego passa inevitavelmente pelas sensações táteis.

Palavras-chave


Materiais didáticos manipuláveis. Ensino de matemática. Aluno cego.

Texto completo:

PDF

Referências


BORBA, M. C. A Pesquisa Qualitativa Em Educação Matemática. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 2004, Caxambu-MG. Anais... Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. CD_ROM.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, 2017.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM). Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, 2017.

CAMACHO, M. S. F. P. Materiais Manipuláveis no Processo Ensino/Aprendizagem da Matemática: aprender explorando e construindo. (Relatório de estágio de mestrado, mestrado em ensino da matemática no 3º ciclo do ensino básico secundário). Universidade da Madeira. Recuperado em: https://digituma.uma.pt/bitstream/10400.13/373/1/MestradoMarianaCamacho.pdf. Acesso em 26/01/2019

COSTA, L. F. M. Metodologia do Ensino da Matemática: fragmentos possíveis. Manaus: BK Editora, 2018.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto alegre: Artmed, 2010.

FERRONATO, R. A construção de instrumento de inclusão no ensino da matemática. Dissertação (Mestrado), Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/. Acesso em: 16/12/2018.

GLAT, R. Educação inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7letras, 2007.

KOEPSEL, A. P. P. Materiais Didáticos no ensino de Matemática para estudantes com deficiência visual. In: 20º EBRAPEM. Curitiba, PR. Anais... Encontro brasileiro de estudantes de Pós-Graduação em educação matemática, Curitiba, 2016. Recuperado de: http://www.ebrapem2016.ufpr.br/wp-content/uploads/2016/04/gd13_ana_koepsel.pdf. Acesso em 09/12/2018

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

LORENZATO, S. O laboratório de ensino de matemática na formação de professores. Campinas: Autores Associados, 2012.

MAZZOTA, M. J. S. (2003). Educação Especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília, 2017

MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro, 2001.

MOREIRA, M. A. Pesquisa em educação em ciências: métodos qualitativos. Programa Internacional de Doctorado en Enseñanza de las Ciencias. Universidad de Burgos, Espanha; Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil. Texto de Apoio n° 14. Actas del PIDEC, v. 4, p. 25-55, 2002.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Livraria da Física, 2011.

NACARATO, A. M., MENGALI, B. L. S., PASSOS, C. L. B. A matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: tecendo fios do ensinar e do aprender. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

PINKER, S. Como a mente funciona. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

BRASIL. Senado Federal. Lei de diretrizes e bases da educação nacional. – 2. ed. Brasília: Coordenação de Edições Técnicas, 2018 58 p. Recuperado de: http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/544283/lei_de_diretrizes_e_bases_2ed.pdf. Acesso em: 03/09/2018


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Revista Brasileira de Iniciação Científica, Itapetininga, SP, Brasil, ISSN: 2359-232X

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.