Avaliação físico-química de raízes de mandioca com diferentes tipos de manejo cultivadas no Rio Grande do Sul, Brasil

Bruna Lago Tagliapietra, Franciele Rüchel, Maritiele Naissinger da Silva, Alexandre Ferigolo Alves, Paulo Marcks, Alencar Junior Zanon, Neila Silvia Pereira dos Santos Richard

Resumo


A raiz de mandioca tem uma grande importância como fonte energética na dieta da população em países em desenvolvimento. O objetivo desse estudo foi determinar o teor de umidade e proteína de raízes de mandioca cultivadas em diferentes níveis de manejo. A partir das práticas de manejo e tecnologias empregados foram definidos três níveis: alto, médio e baixo. As práticas de manejo realizadas durante o ciclo de desenvolvimento da cultura da mandioca influenciaram os parâmetros de proteína e umidade. A correção da acidez e a adubação do solo contribuíram para o aumento dos teores de proteína de raízes de mandioca.

Palavras-chave


Mandioca; Físico-química; Proteína; Umidade; Níveis de manejo

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, O. J. et al. Efeito da densidade populacional na produtividade de raízes de mandioca. Bioenergia em revista: diálogos, n. 1, p. 08-18, jan./jun. 2017.

ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS – AOAC. Official methods of analysis. 16 ed. USA, 1995.

BEZERRA, F. P. A. Declínio da produção de mandioca: os impactos econômicos no município de Santa Izabel, estado do Pará. Agroecossistemas, v. 6, n. 1, p. 17-41, 2014.

FAGUNDES, L.K. et al. Desenvolvimento, crescimento e produtividade de mandioca em diferentes datas de plantio em região subtropical. Ciência Rural, v.40, p.2460-2466, 2010.

FAO - Food and Agriculture Organization of the United Nations (2016). Agricultural production: crops primary. Disponível em: http://faostat.fao.org/. Acesso em: 09 mar. 2019.

FENIMAN, C. M. Caracterização de raízes de mandioca (Manihot esculenta Crantz) do cultivar IAC 576-70 quanto à cocção, composição química e propriedades do amido em duas épocas de colheita. 2004.

FERNANDES, F. D. Produtividade e valor nutricional da parte aérea e de raízes tuberosas de oito genótipos de mandioca de indústria. Rev. Bras. Saúde Prod. Anim., Salvador, v.17, n.1, p.1-12, 2016.

LAGO, I.; STRECK, N.A.; BISOGNIN, D.A.; SOUZA, A.T.; SILVA, M.R. Transpiração e crescimento foliar de plantas de mandioca em resposta ao déficit hídrico no solo. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.46, p.1415-1423, 2011.

LATIF, S.; MÜLLER, J. Potential of cassava leaves in human nutrition: A review. Trends in Food Science & Technology, v.44, p. 147-158, 2015.

LORENZI, J. O. Variação na qualidade culinária das raízes de mandioca. Bragantia, Campinas, v. 53, n. 2, p. 237-245, 1994.

MATTOS, P. L. P.; BEZERRA, V. S. Cultivo da mandioca para o Estado do Amapá. EMBRAPA Mandioca e Fruticultura: Sistemas de Produção, 2003.

NUNES A. R. A. et al. Nitrogênio no crescimento da planta e na qualidade de raízes da mandioquinha-salsa. Ciência Rural, Santa Maria, v.46, n.2, p.242-247, fev, 2016.

OLIVEIRA M. L et al. Flutuações de temperatura e umidade do solo em resposta à cobertura vegetal. Rev. Bras. Eng. Agríc. Ambient. v.9, n.4, 2005.

PADONOU, W. et al. The quality of boiled cassava roots: instrumental characterization and relationship with physicochemical properties and sensorial properties. Food Chemistry, v.89, n.2, p. 261-270, 2005.

PEDRI, E. C. M. et al. Características morfológicas e culinárias de etnovariedades de mandioca de mesa em diferentes épocas de colheita. Brazilian Journal of Food Technology, v.21, n.2, 2018.

QUIROGAA. L. B. Proteínas. Food Ingredients Brasil, n 28, 2014.

REDE OFICIAL DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISE DE SOLO E DE TECIDO VEGETAL (ROLAS). Manual de adubação e calagem para os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. 10.ed. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2004.

SCHONS, A. et al. Arranjos de plantas de mandioca e milho em cultivo solteiro e consorciado: crescimento, desenvolvimento e produtividade. Bragantia, v. 68, n. 1, p. 165-177, 2009.

SOUZA, J. M. L. et al. Variabilidade físico-química da farinha de mandioca. Ciência e Tecnologia Alimentos, Campinas, v.28, n.4, p.907-912, 2008.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2.ed. Porto Alegre: Emater/RS, 2008.

STRECK, N. A. et al. Improving predictions of developmental stages in winter wheat: a modified Wang and Engel model. Agricultural and Forest Meteorology, v.115, n. 3, p. 139-150, 2003.

TAIZ, L. & ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 5.ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

TALMA, S. V. et al. Tempo de cozimento e textura de raízes de mandioca. Brazilian Journal of Food Technology, v.16, n.2, p.133-138, 2013.

TIRONI, L. F. et al. Desempenho de cultivares de mandioca em ambiente subtropical. Bragantia, Campinas, v.74, n. 1, p.58-66, 2015.

VIÉGAS, A. P. Estudos sobre a mandioca. Campinas: IAC/BRASCAN Nordeste, 1976.

WALTER, M. et al. Amido resistente: características físico-químicas, propriedades fisiológicas e metodologias de quantificação. Ciência Rural, Santa Maria, v.35, n.4, p.974-980, jul./aug. 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Revista Brasileira de Iniciação Científica, Itapetininga, SP, Brasil, ISSN: 2359-232X

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.