O movimento é das mulheres: memória e identidade das catadoras de materiais recicláveis em Foz do Iguaçu

Erika Marques de Sá, Suellen Mayara Péres de Oliveira

Resumo


O presente trabalho buscou investigar a memória e as identidades dos catadores de materiais recicláveis do município de Foz do Iguaçu. Por meio da metodologia da história oral podemos reconhecer alguns marcadores importantes das identidades dessas agentes. Destacamos o preconceito sofrido por esses trabalhadores, as condições insalubres principalmente dos trabalhadores autônomos que muitas vezes pode ser considerada análoga à escravidão. Por último, a preponderância de lideranças femininas e de mulheres nesta profissão.


Palavras-chave


Memória; Identidade; Catadores de materiais recicláveis; Gênero

Texto completo:

PDF

Referências


Fontes primárias

MERTIG, Viviane. Depoimento oral: entrevista realizada em Foz do Iguaçu. 27 de abril de 2018.

SILVA, Cleusa Cordeira da. Depoimento oral: entrevista realizada em Foz do Iguaçu. 18 de maio de 2018.

Livros e artigos

BIANCO, T. S.; MOREJON, C. F. M; RIPPEL, Ricardo. Estimativa da geração de resíduos sólidos urbanos(GRSU) na mesorregião do oeste do Paraná-2005-2015. Anais do 6º Fórum Internacional de Resíduos Sólidos. São Paulo, 2015. 1-9 .

CABRAL, Laíse Râbelo et al. Reciclando as relações de gênero: A divisão sexual do trabalho em cooperativas de catadoras e catadores e o papel de lideranças femininas na política pública de resíduos sólidos no Distrito Federal. In: PEREIRA, Cristina Jaquetto & GOES, Fernanda Lira. Catadores de materiais recicláveis: um encontro nacional. Rio de Janeiro: IPEA, 2016. 75-98.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. Lisboa: Edições 70, 1991.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

GALLIAN, D.M.C."O Historiador como Inquisidor ou como Antropólogo? Um questionamento para os ´Historiadores Orais`. Revista de História. nº 125-126, Agosto-Dezembro/Janeiro-Julho, 1991-92.

KLEINKE, Maria de Lourdes Urban et al. O paraíso dos outros. Revista Paranaense de Desenvolvimento-RPD, n. 88, p. 23-36, 2011.

PAIVA, Camila Capacle. Mulheres catadoras: articulação política e ressignificação social através do trabalho. Idéias, [S.l.], v. 7, n. 2, p. 151-174, mar. 2017. ISSN 2179-5525. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8649500/16055>. Acesso em: 24 fev. 2019. doi:https://doi.org/10.20396/ideias.v7i2.8649500.

PATEMAN,Carole. O Contrato Sexual. Rio: Paz e Terra. 1993.

POLLAK, Michael. “Memória, Esquecimento, Silêncio”. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol.2 n.3, 1989, p.3-15.

RABOSSI, F. Como pensamos a Tríplice Fronteira? In: Lorenzo Macagno, Silvia Montenegro e Verónica Giménez Belivau (orgs.) A Tríplice Fronteira: espaços nacionais e dinâmicas locais. Curitiba: Editora UFPR, 2011, p. 39-61.

RATHJE, William L., & MURPHY Cullen. Rubbish!: The Archaeology of Garbage. Tucson, AZ: University of Arizona Press, 2001.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. “¿Puede hablar el sujeto subalterno?”. Orbius Tertius, 3 (6), 175-235 1998. En Memoria Académica. Disponible en:http://www.fuentesmemoria.fahce.unlp.edu.ar/art_revistas/pr.2732/p. Acesso em 24 de setembro 2015.

STRASSER, Susan. Waste and Want: A Social History of Trash, New York: Henry Holt, 1999.

UNICEF. Situação das crianças e dos adolescentes na tríplice fronteira entre Argentina, Brasil e Paraguai: desafios e recomendações. Curitiba: Itaipu Binacional, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Revista Brasileira de Iniciação Científica, Itapetininga, SP, Brasil, ISSN: 2359-232X

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.