Territórios do brincar: a produção das culturas infantis em creches e pré-escolas de São Bernardo do Campo

Ana Flávia Campelo de Souza, Marta Regina Paulo da Silva, Marta Regina Paulo da Silva

Resumo


O trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa de iniciação científica que objetivou compreender como as brincadeiras se inserem no cotidiano da Educação Infantil, de modo a verificar como o direito de brincar vem sendo garantido às crianças. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, tendo por procedimentos: análise documental e entrevistas. Os resultados revelam a importância dada às brincadeiras no cotidiano destas instituições, em que se observa uma compreensão do brincar como espaço propício para o desenvolvimento e a aprendizagem das crianças; contudo, verificam-se divergências quanto a um possível caráter escolarizante das brincadeiras, e a necessidade de ações formativas que discutam a produção cultural das crianças.


Palavras-chave


Brincar. Culturas infantis. Educação Infantil. Crianças.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, M.C.S. Culturas infantis: contribuições e reflexões. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 14, n. 43, p. 645-667, set./dez. 2014. Disponível em: www2.pucpr.br/reol/index.php/dialogo?dd99=pdf&dd1=14717. Acesso em 03/04/2017.

BOMTEMPO, E. Brincar, fantasiar e aprender. Temas em Psicologia da SBP. v. 7, n. 1, 51-56, 1999.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a educação infantil. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#infantil. Acesso em: 15/08/2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil promulgada em 1988, Brasília, Senado Federal, 1988.

BRASIL. O que é brincadeira? Gisela Wajskop entrevista Gilles Brougère. Revista Criança, n. 31. Ministério da Educação, 1999.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação infantil. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BROUGÈRE, G. A criança e a cultura lúdica. In: KISHIMOTO T. (Org.). O brincar e as suas teorias. São Paulo: Pioneira, 1998, p. 19-32.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1997.

CORSARO, W.A. Sociologia da infância. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FRASER, M.T. D.; GONDIM, S.M.G. Da fala do outro ao texto negociado: Discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Cadernos de Psicologia e Educação – Paidéia, USP – Ribeirão Preto São Paulo, v. 14, n. 28, p. 139-152, 2004.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

KISHIMOTO, T.M. Brinquedos e brincadeiras na Educação infantil. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2010-pdf/7155-2-3-brinquedos-brincadeiras-tizuko-morchida/file. Acesso em 02/04/2017.

KISHIMOTO, T.M. Escolarização e brincadeira na educação infantil. Labrinjo: Laboratório de Brinquedos e Jogos, s/d. Disponível em: http://www.labrinjo.ufc.br/phocadownload/artigo_005.pdf. Acesso em 25/05/2017.

KISHIMOTO, T.M. Brincar é diferente de aprender (Entrevista com Tizuko M. Kishimoto). Portal do Professor, Jornal ed. 18. Brinquedos educativos, 2009. Disponível em: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/noticias.html?idEdicao=19&idCategoria=8. Acesso em 25/05/2017.

PÁDUA, E.M.M. de. Metodologia da pesquisa: abordagem teórico-prática. 8. ed. Campinas: Papirus, 2002.

PASQUALINI, J.C. Periodização do desenvolvimento psíquico à luz da escola de Vigotski: a teoria histórico-cultural do desenvolvimento infantil e suas implicações pedagógicas. In: MARSIGLIA, Ana C.G. (Org.). Infância e pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2013, p. 71-97.

SARMENTO, M.J. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Educação e Sociedade, v.26, n.91, Campinas, Mai./Ago. 2005, p. 361-378. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/es/v26n91/a03v2691.pdf. Acesso em: 02/04/2017.

SÃO BERNARDO DO CAMPO. Secretaria de Educação e Cultura. Proposta curricular. Educação Infantil. Vol. II. Caderno 2. São Bernardo do Campo. 2007.

SILVA, M.R.P. Por uma educação infantil emancipatória: a vez e a voz das crianças e de suas professoras. Cadernos de Educação. Pelotas: UFPel, 2017, p. 83-100.

VIGOTSKY, L.S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Revista Brasileira de Iniciação Científica, Itapetininga, SP, Brasil, ISSN: 2359-232X

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.