Educação em saúde da pessoa idosa na vivência integrada na comunidade em um curso de medicina: relato de experiência

Humberto Cabral de Oliveira Filho, Érico Gurgel Amorim, Ana Luiza de Oliveira e Oliveira

Resumo


O objetivo deste trabalho é relatar a experiência de um estudante da graduação em Medicina da Escola Multicampi de Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, durante o cumprimento do componente curricular Vivência Integrada na Comunidade (VIC). A fim de discutir temáticas mais amplas, como resolutividade na atenção à saúde e Redes d­­e Atenção à Saúde, usamos elementos concernentes à organização e à execução de uma atividade de Educação em Saúde em uma Unidade Básica de Saúde direcionada para a atenção à saúde da pessoa idosa. Problematizamos aspectos como acolhimento, vínculo, co-responsabilização e humanização com objetivo de significar autonomia dos idosos, bem como de fortalecer a Atenção Primária em Saúde (APS).


Palavras-chave


Saúde do idoso; Humanização da assistência; Assistência integral à saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


BEAUTRAIS, A. L. et al. Prevalence and comorbidity of mental disorders in person making serious attempts: a case control study. Am J Psychiatry. 1996, v. 153, n. 8, p. 1009-14. Disponível em: https://ajp.psychiatryonline.org/doi/abs/10.1176/ajp.153.8.1009?journalCode=ajp. Acesso em: 4. jan 2019.

BOSI, E. Memória e Sociedade: Lembranças de Velhos. 3. ed. São Paulo, Companhia das Letras, 1994.

BRASIL. Ministério da Saúde. Estatuto do Idoso. 3. ed., 2. reimpr. - Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde na escola. Cadernos de Atenção Básica nº 24, Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: Portaria nº 687 MS/GM, de 30/3/2006. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 60 p.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Código de Ética Médica, resolução nº 1.931/09, 2009. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2009/1931_2009.pdf. Acesso em Jan 2019.

DURKHEIM, E. O suicídio: um estudo sociológico. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

FORTUNATO, I.. O relato de experiência como método de pesquisa educacional. In: Ivan Fortunato; Alexandre Shigunov Neto. (Org.). Método(s) de Pesquisa em Educação. São Paulo: Edições Hipótese, 2018, v. 1, p. 37-50.

IBGE. ESTATÍSTICAS SOCIAIS. (Ed.). Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017. 2018. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2018.

MELO, L. P. de et al. A escola multicampi de ciências médicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil, no contexto do Programa Mais Médicos: desafios e potencialidades. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 21, p. 1333-1343, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0394. Acesso em: Jan 2019.

MERHY, E. E. Saúde: a cartografia do trabalho vivo em ato. São Paulo: Hucitec, 2002.

MINAYO, M. C. S.; HARTZ, Z. M. A.; BUSS, P. M. Qualidade de Vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, 2000, p. 7-18. Disponível em: . Acesso em: Jan. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000100002.

MINAYO, M. C. de S.; CAVALCANTE, F. G. Suicídio entre pessoas idosas: revisão da literatura. Revista de Saúde Pública, v. 44, p. 750-757, 2010. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2019.

MINAYO, M. C. S.; FIGUEIREDO, A. E. B.; MANGAS, R. M. N. O comportamento suicida de idosos institucionalizados: histórias de vida. Physis: Revista de Saúde Coletiva, [s.l.], v. 27, n. 4, p.981-1002, dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2019.

MORAIS, H. C. C. et al. Strategies for self-management support by patients with stroke: integrative review. Revista da Escola de Enfermagem da Usp, [s.l.], v. 49, n. 1, p.136-143, fev. 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2019.

OLIVEIRA, A. L. de O. e et al . Vivência integrada na comunidade: inserção longitudinal no Sistema de Saúde como estratégia de formação médica. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 21, supl. 1, p. 1355-1366, 2017 . Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2019.

______. Vivência Integrada na Comunidade: modelo de Inserção longitudinal do estudante de medicina no SUS e o Fortalecimento da integração ensino-serviço-comunidade. Anais do 7º Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e Humanas em Saúde, 2016. Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/wp-content/uploads/2016/12/Anais7CBCSS16.pdf. Acesso em: 10. jan 2019.

PACHECO, A. E.; ANTUNES, M. J. M. Revisão da literatura sobre motivação para o autocuidado na Atenção Primária em Saúde. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, Minas Gerais, v. 06, n. 03, p. 2907-2918, mar. 2015. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5555844. Acesso em: 22 out. 2018.

PORTO, C. C. Semiologia Médica. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 2013

SALCI, M. A. et al. Educação em saúde e suas perspectivas teóricas: algumas reflexões. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v. 22, n. 1, p. 224-230, mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2019.

WHOQOL Group. The development of the World Health Organization quality of life assessment instrument (the WHOQOL). In: ORLEY, J.; KUYKEN, W. (Eds.). Quality of life assessment: international perspectives. Heidelberg: Springer, 1994. p. 41-60.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Revista Brasileira de Iniciação Científica, Itapetininga, SP, Brasil, ISSN: 2359-232X

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.