Estudo do desempenho de misturas solo-agregado para emprego no revestimento primário de estradas rurais

Larissa Caroline Vogt, Júlia Kappaun de Oliveira, Taline Koch, Leandro Olivio Nervis

Resumo


Resumo: Neste trabalho foram realizados estudos experimentais com o objetivo de avaliar o desempenho de misturas solo-agregado para emprego no revestimento primário de estradas de terra da região de Novo Xingu-RS, Brasil, utilizando um solo local laterítico, brita 0 e brita 1 como agregados. Realizaram-se ensaios de caracterização (granulometria, Limites de Atterberg e peso específico real dos grãos), ensaios voltados à Classificação MCT, ensaios de compactação e de Índice de Suporte Califórnia – ISC, ensaios para obtenção dos parâmetros de resistência (cisalhamento direto, compressão simples e diametral), além de ensaios para a determinação do coeficiente de atrito de diferentes superfícies. Com base nos resultados obtidos, classificou-se o solo pelos sistemas de classificação tradicional e MCT e avaliou-se sua aptidão para emprego como revestimento primário.  Na sequência, foram realizados cálculos de dimensionamento do pavimento com revestimento primário, permitindo um levantamento dos custos de materiais e serviços para uma avaliação de viabilidade econômica. Concluiu-se que as soluções que contemplam misturas de solo com brita 1 não são viáveis de emprego, sendo que a solução de revestimento primário que apresentou melhor desempenho técnico e econômico foi a constituída de uma camada de 25 cm de solo compactado na energia intermediária com agulhamento de 1 cm de brita 0, sem pedras soltas sobre a pista, desde que sejam garantidas boas condições de drenagem de forma a evitar a ocorrência de saturação da camada de solo.


Palavras-chave


Estradas de terra. Revestimento primário. Solo-agregado.

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN ASSOCIATION OF STATE HIGHWAY AND TRANSPORTATION OFFICIALS. AASHTO M146-70: Specification For Terms Relating To Subgrade, Soil-Aggregate, And Fill Materials. Washington, 1991.

AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. ASTM D3080: Standard Test Method for Direct Shear Test of Soils Under Consolidated Drained Conditions. Montgomery County, 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6457: Amostras de solo – Preparação para ensaios de compactação e ensaios de caracterização. Rio de Janeiro: ABNT, 2016.

______. NBR 6458: Grãos de pedregulho retidos na peneira de abertura 4,8 mm - Determinação da massa específica, da massa específica aparente e da absorção de água. Rio de Janeiro: ABNT, 2016.

______. NBR 6459: Solo – Determinação do limite de liquidez. Rio de Janeiro: ABNT, 2016.

______. NBR 6502: Rochas e solos. Rio de Janeiro: ABNT, 1995.

______. NBR 7180: Solo – Determinação do limite de plasticidade. Rio de Janeiro: ABNT, 2016.

______. NBR 7181: Solo – Análise granulométrica. Rio de Janeiro: ABNT, 2016.

______. NBR 7182: Solo – Ensaio de compactação. Rio de Janeiro: ABNT, 2016.

______. NBR 7222: Concreto e argamassa — Determinação da resistência à tração por compressão diametral de corpos de prova cilíndricos. Rio de Janeiro: ABNT, 2011.

______. NBR 9895: Solo – Índice de suporte Califórnia (ISC) – Método de ensaio. Rio de Janeiro: ABNT, 2016.

______. NBR 12770: Solo coesivo - Determinação da resistência à compressão não confinada - Método de ensaio. Rio de Janeiro: ABNT, 1992.

BAESSO, D. P.; GONÇALVES, F. L. R. Estradas Rurais: técnicas adequadas de manutenção. Florianópolis: DER/SC, 2003.

BERNUCCI, L. B. et al. Pavimentação Asfáltica: Formação Básica para Engenheiros. Rio de Janeiro: Petrobrás: Abeda, 2008.

BRASIL. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT. Custos e Pagamentos. Sistema de Custos Referenciais de Obras - SICRO. Rio Grande do Sul, março 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 outubro 2017.

______. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT 105: Terraplenagem – Caminhos de serviço. Especificação de Serviço. Rio de Janeiro, 2009.

______. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT: Manual de Conservação Rodoviária. Rio de Janeiro, 2005.

______. Departamento Nacional de Estradas de Rodagem – DNER-ME 024: Pavimento – determinação das defelxões pela viga Benkelman. Rio de Janeiro, 1994.

______. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. INMET – Instituto Nacional de Meteorologia. Clima - Monitoramento Climático. Disponível em: . Acesso em: 19 outubro 2017.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TRANSPORTE. Pesquisa CNT de rodovias 2016: relatório gerencial. – 20.ed. – Brasília: CNT: SEST: SENAT, 2016. Disponível em: < http://pesquisarodovias.cnt.org.br> Acesso em: 6 junho 2017.

COUTO, Jeferson Berni. Estudo de Misturas de Solo-Agregado em Bases e Sub-bases Rodoviárias do Rio Grande do Sul: Caracterização de Laboratório e Execução de Trecho Experimental. 2009. 162 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil – Mestrado e Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

COZZOLINO, V. M. N.; NOGAMI, J. S. Classificação Geotécnica MCT para Solos Tropicais. Solos e Rochas, São Paulo, n. 16, p.77-91, 1993.

DAS, B. M.; SOBHAN, K. Fundamentos de engenharia geotécnica. 8. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2014.

FONTENELE, Helena Barbosa. Estudo para adaptação de um método de classificação de estradas não pavimentadas às condições do município de São Carlos/SP. 2001. 227 f. Dissertação (Mestrado) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

MASSAD, Faiçal. Obras de Terra: curso básico de Geotecnia. 2. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2010.

MEDINA, J.; MOTTA, L. M. G. Mecânica dos Pavimentos. 2. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2005.

NERVIS, L. O. Proposta de metodologia simplificada para o dimensionamento de pavimentos com revesti¬mento primário. Transportes. São Paulo. v. 26, p. 108-129, 2018. Disponível em: < https://www.revistatransportes.org.br/anpet/article/view/1352/685> Acesso em: 28 mai 2018.

NOGAMI, J. S.; VILLIBOR, D. F. Pavimentação de baixo custo com solos lateríticos. São Paulo: Vilibor, 1995.

PROJETO COCAR DL/OSM. Mapa Garmin COCAR América do Sul. v17. 2017. Disponível em: < http://cocardl.com.br/viewtopic.php?f=52&t=458> Acesso em: 28 mai 2018.

REIMPELL, J.; STOLL, H.; BETZLER, J. W. The Automotive Chassis: Engineering Principles. 2. ed. Oxford: Butterworth-Heinemann, 2001.

RIO GRANDE DO SUL. SEPLAG - Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão. Atlas Socioeconômico. Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Hipsometria e unidades geomorfológicas, 2008. Disponível em:. Acesso em: 20 out 2017.

PINTO, Carlos de Souza. Curso básico de mecânica dos solos em 16 aulas. 3. ed. São Paulo: Oficina de textos, 2006.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed., rev. e ampl. Porto Alegre: EMATER/UFRGS, 2008.

VILLIBOR, D. F.; NOGAMI, J. S. Pavimentos Econômicos: tecnologia do uso de solos finos lateríticos. São Paulo: Arte & Ciência, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

 

Revista Brasileira de Iniciação Científica, Itapetininga, SP, Brasil, ISSN: 2359-232X

 Licença Creative Commons Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.